STF pode manter acordo de impunidade da JBS nesta quarta e decretar fim das instituições no Brasil: aí é “vale tudo”

0
172

Informações dão conta de que há mais chances de que o acordo de impunidade da JBS seja validado hoje no STF do que de ser cancelado.

Há muita coisa em jogo, pois os irmãos Joesley Batista e Wesley Batista são financiadores de um projeto empresarial bolivariano, que não seria abandonado com a mera saída do PT do poder. Há várias forças atuando para querer nos transformar em uma Venezuela, fazendo uso principalmente de investidores como a JBS. Ademais, a JBS sempre foi uma das maiores anunciantes das organizações Globo, que lidera a campanha em favor da impunidade dos irmãos Joesley e Wesley. Muita gente já jogou de vez sua reputação no lixo ao apoiar o acordo de impunidade e dificilmente poderão voltar atrás.

Em razão disso, o cidadão brasileiro pode receber uma senha para o terror nesta quarta, com a confirmação de que Joesley e Wesley podem ter a garantia de ficarem impunes, mesmo tendo cometido atos de corrupção ativa em escala absurda.

Como a população tende a ficar revoltada, alguns formadores de opinião já foram elencados para tentar conter os danos, e desde alguns dias atrás já estão emitindo narrativas mais furadas que tábua de pirulito. Veja algumas:

  • “O acordo de impunidade deve ser mantido, pois os irmãos JBS entregaram muita gente”: O argumento é falso, pois não adianta citar muita gente, mas sim entregar provas para o aprisionamento de muita gente, e nisso outros delatores conseguiram prender mais pessoas. Detalhe: nem o número de pessoas aprisionadas justifica a impunidade total.
  • “O acordo de impunidade deve ser mantido, pois sem isso ninguém vai delatar mais: Outra mentira em estilo Pinóquio, pois o ser humano é movido por motivação e recompensa. Existindo pessoas com medo de ficar 30 anos na cadeia e podendo trocar isso por 8 ou 10 anos, elas vão delatar, talvez até com mais motivação.
  • “O acordo de impunidade deve ser mantido, pois sem isso as provas serão canceladas e os bandidos delatados ficarão livres”: Novamente, isso não é nem falácia, mas unicamente uma mentira, pois o acordo de impunidade pode ser cancelado e as provas já coletadas mantidas, inclusive todos os depoimentos. Quem tiver que ser preso, vai ser preso. Com a anulação do acordo de impunidade, a única coisa que aconteceria seria a necessidade de se fazer um novo acordo, mas sem garantir a total impunidade. Se eles não quiserem fazer um novo acordo (sem impunidade), que cumpram a pena completa. Você acha que eles topariam mofar na cadeia por 30 anos? Só criança acreditaria nisso.

Enfim, essas três rotinas acima serão repetidas hoje por gente que não se importa mais com a própria reputação. Lembre-se de que falamos de uma empresa que sempre investiu muito em anúncios e recebeu 8,1 bilhões do BNDES. É algo pior do que qualquer máfia que já tenha existido.

Nota-se que desde que o acordo de impunidade foi homologado por Fachin, o Brasil entrou em surto de niilismo, e praticamente nada mais parece fazer sentido em termos morais. O cidadão recebeu a seguinte mensagem: não há mais código moral. Uma vez que os irmãos Joesley e Wesley tenham ficado impunes, não há mais diferença entre certo e errado. Tudo passa a ser um jogo de conveniências. Não existem mais bons ou maus, mas apenas tolos e espertos.

Será que valerá a pena viver em um país que tenha aceitado ultrapassar esse limite? Como alguém poderá cobrar atitudes éticas dos outros em um país no qual dois irmãos empresários sairam impunes mesmo atingindo recordes de corrupção? Talvez só com fingimento de moralidade, mas isso tende a não durar muito.

Para piorar, existem alguns setores políticos (incluindo na mídia) que estão defendendo em público a impunidade dos irmãos JBS, mesmo dizendo defender a Lava Jato, mas isso é apenas ter um bandido de estimação. Quem defende o acordo de impunidade (mesmo que tente usar as três falácias apontadas anteriormente), ficará conhecido por ter um bandido de estimação.

Em suma, teremos o ambiente para o completo caos político e moral, sem qualquer validade para instituições. Tudo passa a se tornar puro fingimento. A própria Lava Jato deixaria de ter a força moral que hoje possui, pois o povo ficaria anestesiado com a impunidade, sem qualquer esperança.

Tudo isso pode ser evitado com o cancelamento do acordo com a JBS, junto com a manutenção de todas as provas já coletadas (ou seja, ninguém será inocentado por isso). Em seguida, é preciso prender preventivamente os irmãos Joesley e Wesley, e garantir que eles sejam condenados a mais de 30 anos. Só daí, em um acordo, poderiam ter pena reduzida para 5 ou 6 anos, no mínimo. Caso contrário, é a celebração da impunidade total e o fim de qualquer esperança para termos um país que valorize a luta contra a corrupção.

Sem esperanças em valores morais e sem qualquer respeito pelas instituições, não haverá mais uma verdadeira luta contra a corrupção, pois isso é também um valor moral (que deixa de fazer sentido com a impunidade dos irmãos JBS).

Hoje é o dia mais importante de 2017 para o Brasil. Se o acordo de impunidade for mantido pelo STF, o Brasil se torna a terra da podridão moral. A partir daí, vale tudo.

A partir daí, eu recomendaria a você que abraçasse seus familiares e se prepare para o pior.

Mas ainda temos a manhã de hoje e o início da tarde para pressionar o STF a cancelar este acordo de impunidade.

Anúncios

Deixe uma resposta