O problema não são os “erros” de Janot mas seus acertos obscuros

2
172

Um dos maiores flagelos do debate político é o paternalismo, modelo de pensamento que trata como “erros” os acertos perversos cometidos por gente abjeta. Na direita, este modelo de pensamento é tão pervasivo que muitos possuem mentes colapsadas ao tratar o socialismo.

Na esquerda, por outro lado, o paternalismo dificilmente é manifestação de uma crença real, mas apenas uma simulação cínica e sonsa para esconder o mal. É o caso da comunista Miriam Leitão, colunista de O Globo, que lança um dos textos mais caradura dos últimos tempos para reclamar de um “erro” do PGR Rodrigo Janot.

Miriam escreve: “Quanto mais o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, tenta explicar os termos do acordo da delação de Joesley e Wesley, mais fica inexplicável. A frase de Janot ‘eles aceitavam negociar tudo menos a imunidade’ mostra uma rendição. Ele poderia ter endurecido na mesa de negociação. O céu para um criminoso é a imunidade penal. Os Batista pediram o céu e lhes foi dado”.

Ela comenta que Janot poderia ter recusado o acordo: “Ora, cabia ao procurador-geral lembrar-lhes que se não colaborassem eles teriam um destino bem mais duro, mais dia, menos dia. Estavam em curso quatro investigações contra a JBS. Joesley tinha medo delas. Seu pavor era acordar numa manhã com a polícia em sua casa. Por isso preparou sua isca, a gravação do presidente da República. Com ela foi, junto com o irmão, ao procurador-geral. Os dois pediram o máximo, exatamente porque é assim que se faz numa negociação. Janot ficou tão atraído pelo que eles tinham a entregar que se rendeu. Se tivesse endurecido, eles recuariam. Acabariam colaborando em termos mais aceitáveis para o país. ‘Eles aceitavam negociar tudo, menos a imunidade.’ Tudo o quê? Depois da imunidade, nada recairá sobre eles. A ideia de que ‘eles continuariam na atividade ilícita que sempre tiveram’ demonstra falta de confiança no próprio Ministério Público, como se a única prova possível fosse aquela oferecida na delação”.

Miriam desmascara a narrativa de Janot de que ele teria feito |“uma escolha de Sofia”. Isso é falso, pois ” Sofia não tinha saída boa na escolha entre a morte de um dos dois filhos. Mas Janot tinha uma terceira opção: endurecer na negociação, conseguir uma colaboração justa para a sociedade brasileira, em que os criminosos tivessem vantagens, redução de penas, mas não a imunidade, e ele teria os elementos para apurar os crimes de altas autoridades. Faltou a ele frieza e firmeza na negociação. Faltou lembrar que ninguém pode se colocar acima da lei ou fora do seu alcance”.

A conclusão de Miriam é óbvia: “O que os empresários poderiam fazer caso Janot dissesse que não aceitaria negociar a esse preço? Iriam para a casa, esperar a manhã em que a Polícia Federal bateria em sua porta com uma ordem de prisão, em alguma das quatro investigações em curso? Não. Eles aceitariam entregar o material por menos, porque tinham muito a perder. O destino de Marcelo Odebrecht era o que mais temiam”.

Por fim, aqui está o paternalismo dissimulado de Miriam: “Janot, ao aceitar dar aos irmãos tudo o que pediram, atingiu a alma da Lava-Jato. O que construiu o forte apoio da opinião pública à operação é o combate à impunidade, ou, como prefere o procurador: ‘Pau que dá em Chico dá em Francisco’. Mas ele poupou os Batista. Esse foi o erro de Janot”.

A pergunta é: quem diz que Rodrigo Janot está preocupado com o futuro da Lava Jato? É preciso de uma ingenuidade infantil (ou má-fé doentia) para acreditar nessa hipótese.

No fundo, Janot fez o acordo de impunidade com a JBS porque quis. Com isso, ele intencionalmente atingiu a operação, talvez até mortalmente. Mas o que importa é o acordão feito com a JBS, que permitiu que os petistas – que o nomearam para o cargo de PGR – se safassem. Da delação de Joesley, não há um petista sequer preso. No máximo Guido Mantega pode ser sacrificado, mas ninguém há de esperar ver Lula e Dilma preso.

Para Janot, quer cenário melhor que esse? Só se for isso em dobro. E ele ainda pode acabar derrubando um inimigo daqueles que o nomearam. Na visão dele e de seus nomeadores, isso é algo merecedor de nota 10.

Em suma, o problema não são os “erros” de Janot, mas os acordos obscuros fechados com ele.

Anúncios

2 COMMENTS

  1. Distintos amigos: Bismarck dizia: “A Política é Arte do Possível”,esse foi um honesto e honrado monarca; nossas cúpulas judiciária e ministerial pública federal,bem conhecem os pensamentos do mencionado monarca;do Cardeal Richilieu ,que governava no lugar do Rei Luís XIII e do injustiçado Machiavel;com todo esse conhecimento,é lógico,que:

    “(…) Sempre saem-se bem em tudo que fazem,em contrapartida a Nação se sai mal por tudo aquilo que Eles fazem”
    Triste abraço a todos amigos,
    Angelo Poci II

  2. ASSISTA OS VÍDEOS ATENTAMENTE

    Se acha que as previsões darão um certo norte para um futuro possível, vê-se que qualquer semelhança com as previsões ditas com a realidade é mera coincidência, sendo ambos os supostos “adivinhos” não são midiáticos e nunca se viram na vida.

    A primeira previsão está cada vez mais possível de ser cumprida, além de estar interconectada com a segunda, que começará de fato as dores do Brasil, pois Eduardo Pulha, ops, Cunha está prestes a abrir o bico e entregará não só Temer, também Maia e Eunício, investigados pela Lava-Jato e STF, estes, respectivamente estão na linha sucessória do Michel Temer, assim impossibilitando-os de serem presidentes do país e darão de bandeja a presidência ao STF, por se preocuparem com as próprias cabeças e reeleições para terem seus foros privilegiados.
    https://www.youtube.com/watch?v=Lxm3TgW8-nQ

    A própria mídia já admitiu esta hipótese: https://www.youtube.com/watch?v=WPHvKXq5Xyw
    Temer, para cair atirando, terá suas reformas previdenciária e trabalhista aprovadas para não sair de forma ingrata em um cenário possível.

    Você vê também que ao assistir cuidadosamente as previsões, falou que o Lula será preso, além do mais, sua rejeição é recorde (Por que Lula não anda na rua livremente e só com seguranças e petistas militantes? Quem deve não teme. Medo de sofrer atentado?), mesmo com o Datafalha, ops, Datafolha dizendo o contrário, que ele pode ser eleito, o que mostra a falta de credibilidade com a mídia. Lula já teve seu sítio provado por meio da investigação da PF que é dele e ao ser preso, como era informante do DOPS, cujo condinome era Barba e entregava os sindicalistas no regime militar e fará o mesmo ao ser preso novamente, gerando pânico em Brasília e este será morto antes ou no início de 2018. Estas duas previsões são parecidas, só que com finais diferentes(Alguém com 71 anos que depois de ser presidente teve 3 cânceres voltar a comandar o país, é piada achar que vai dar certo.). https://www.youtube.com/watch?v=ZuLDGXN9ybchttps://www.youtube.com/watch?v=eFzCH6awoZE – Segunda esta previsão, Lula morrerá em consequência de um câncer que evoluirá muito rápido e nada poderá ser feito, tanto que é referido como “homem de nove dedos da América Latina”.

    O final pior pode se cumprir, pois há muitos petistas fanáticos e seus movimentos (antis)sociais com aliança com o crime organizado farão um exército de estúpidos, cujo Exército Brasileiro fará lei marcial em 2018 possivelmente com a aliança as forças estaduais e municipais de segurança devido ao estado de guerra civil declarada, o que gerará estado latente de guerra com tanques andando nas ruas, pois isto ao ver esse último vídeo verá que começou já em 2017 em um “estado pequenininho” (o Espírito Santo) e nos presídios do Norte e do Nordeste e a partir de quando as FFAA intervir em 3 estados ao mesmo tempo, o país declarará um possível Estado de Defesa sob Lei Marcial, pois Temer já recorreu da “Lei e da Ordem” quando queriam entrar no Congresso e no Planalto por causa das reformas.
    https://www.youtube.com/watch?v=fcGVpcroju0

    Logo, vê-se que desde 2013, as coisas no Brasil estão mesmo indo daí para pior e só terá a solução em 2018, sendo que tudo isto parece estar seguido à risca, independente da influência dos políticos e do Judiciário.

Deixe uma resposta