Mano Brown diz que “abraça” o capitalismo e agora curte Gucci e Armani. Mas socialistas sempre gostaram do capitalismo…

1
283

A revista VIP publica uma entrevista com o rapper paulista e socialista Mano Brown, que lançou o disco-solo “Boogie Naipe” com letras menos “engajadas” do que aquelas cantadas por ele nos Racionais Mc’s.

Em suma, a lacração deu lugar ao papo sobre relacionamentos. A matéria, aliás, lembra que ele está em uma fase mais comercial. Hoje, ao lado da mulher, ele comanda uma produtora que se divide entre seus negócios-solo e o grupo de rap.

“A gente joga com as regras locais”, disse à revista VIP. Ele está se referindo ao capitalismo.

“A mulher branca gosta de cabeleireiro tanto quanto a negra de manicure. O homem negro gosta de roupa boa tanto quanto o branco. Gucci, Armani. Isso não é fraqueza.”

O negócio é usar a franqueza: qualquer pessoa intelectualmente honesta sabe que o socialismo jamais renegou o capitalismo. O problema é que o socialismo gosta do capitalismo de laços e até mesmo do capitalismo de estado. A noção de que os socialistas renegam “o capital” sempre foi uma baita de uma enrolação. Basta olhar para países como Coreia do Norte e Cuba e ver que eles continuam fazendo trocas com papel moeda em vez de usar milhos ou palitinhos. O “capital” nunca foi superado e esta nunca foi a intenção real do socialismo.

Mano Brown sabe que sempre enganou seu público para fazer “virtue signalling” (encenação de virtude). Socialismo é também a enganação de trouxas. Quando ele reconhece que apenas busca ostentar a vida boa, significa apenas que ele está abrindo o terreno para novos artistas jogadores, que utilizarão as esperanças dos socialistas para ganhar dinheiro com encenações de virtude.

Quem sabe alguns desses jogadores (que poderão fingir o “engajamento” como ele fez por muito tempo) podem até render alguma grana em sua produtora, não é?

Anúncios

1 COMMENT

  1. Estimados amigos: O importante não é a “Figura Pública com sua Ideologia” ,e sim o destino final do dinheiro ganho pela figura: Fins Humanitários : Parabéns. Fins Mesquinhos: Escárnio.

Deixe uma resposta