Quem defende Maduro não tem moral para criticar Bolsonaro por ter apoiado o Coronel Ustra

4
509

O blog petista O Cafezinho relembrou um vídeo de alguns segundos mostrando as ameaças de Nicolás Maduro na TV estatal da Venezuela. Ali ele declarava guerra aos seus opositores.

Maduro garantia que se a população tentasse aplicar impeachment contra ele – ou seja, algo similar ao que ocorria no Brasil – ele retrucaria com um golpe de estado, falando até em revolução armada.

Veja:

Com todas as mortes que esse monstro causou nos últimos meses (mais de 100 pessoas assassinadas na Venezuela), fica claro que ao lutarmos contra PT, PCdoB, PSOL e PDT, lutamos contra as mesmas intenções declaradas por Maduro neste vídeo.

Já não dá mais para esconder. A única intenção por trás dessa gente é a ditadura.

O mais irônico de tudo é que essa mesma gente repreendeu Jair Bolsonaro por ter elogiado o Coronel Ustra no dia do impeachment de Dilma. Bem, eles não tem moral mais para reclamar disso.

Claro que alguns direitistas e centristas podem até criticar Bolsonaro, mas a extrema esquerda já não tem moral alguma para fazê-lo pois tudo que Maduro pratica hoje na Venezuela – com assassinato, aprisionamento e tortura de opositores – o coloca em categoria ética muito inferior àquela ocupada pelos militares brasileiros.

Anúncios

4 COMMENTS

  1. Porra, alguém leu a publicação que acompanha esse vídeo? Eu tava aqui achando que eles iam seguir o caminho do Quebrando o Tabu e inventar que “o sociallismo foi mal implementado”, mas eles tão de fato apoiando essa declaração. Temos que repudiar com energia quem aparecer com essas ideias, porque eu aprendi aqui nesse blog que se não tiver reação, eles vão empurrar mais forte!

  2. “Alguns direitistas e centristas podem até criticar Bolsonaro por ter elogiado o Coronel Ustra no dia do impeachment de Dilma” pois são ingratos e até coniventes com os terroristas que tentavam implantar no Brasil uma ditadura bolivariana em que estaríamos até hoje fodidos. Viva Ustra! Para comunistas terroristas tortura foi pouco.

Deixe uma resposta