Guga Noblat desce ao esgoto para atacar Ana Paula e toma surra dos leitores

3
224

Dos ex-membros do CQC, Guga Noblat (filho do jornalista Ricardo Noblat) sempre foi um dos menos talentosos, na mesma proporção em que era um dos mais extremistas no esquerdismo.

Talvez em busca de fama, decidiu fazer um comentário no Twitter sobre a estreia de Ana Paula Henkel, do Vôlei, como colunista do Estadão.

Como todo totalitário, ele não aceita que uma pessoa de opinião divergente ganhe espaço na mídia.

Veja:

Daí os leitores não perdoaram. Alguns exemplos:

Bem, ele pediu…

Anúncios

3 COMMENTS

  1. 1) Uma pessoa civilizada e educada diria que não concorda com os comentários politicos da Ana Paula, mesmo assim desejaria boa sorte a ela no novo trabalho que conseguiu.
    Mas o Gugão Noblat não é uma pessoa civilizada, é claro.
    E o esquerdismo bolivariano agravou os preconceitos, o machismo e o autoritarismo persecutório que ele possuía.
    O humorista “fake” precisa tomar cuidado quando escreve e diz coisas, para que aqueles que ataca não riam por último.
    Segundo o corretismo político, fazer “trocadilho José Simão” com sobrenome japonês (“Kim Katacoquinho”) não é somente infantil; pode ser visto como injúria racial. E perseguir uma mulher é machismo misógino.
    2) Se enfrentasse a Wonder Woman Ana Paula no “mano a mano” (educadamente falando), o Gugão Noblat perderia todas.
    Numa partida de vôlei, numa queda de braços, num debate sobre questões políticas e num programa humorístico (com aquela cara raivosa, ele consegue fazer as pessoas rirem?).
    No quesito charme e simpatia, então, nem se fale.
    Enfim, o “loser” Gugão Noblat escolheu uma adversária de briga que jamais poderá vencer. Nem adiantará pedir a ajuda do paizão, funcionário do Império Globo.
    E em todos os locais que frequentará, o Gugão Noblat será recebido com a ovação:
    “Ana Paula! Ana Paula!”

  2. Kkkkkkkk adoro ver esquerdopatas se debatendo feito minhocas no asfalto quente.

    Este menino, coitado, é o reflexo de uma educação deturpado pela esquerdopatia que quis tomar conta do Brasil. Porém, o saldo disso será 80% preso, nome sujo, afastados por, no mínimo oito anos do cenário político, tornozeleiras e os outros 20% correndo atrás de uma vaguinha como assessor de alguém sem muita importância num município nos confins do nada, justamente para não estarem nas manchetes policiais. Esta será a história “dos bastiões da democracia” defensores de Maduro.

    O papai deste menino precisa tomar cuidado, pois este jovenzinho poderá vir a se suicidar quando a esquerdopatia estiver enterrada. Eu se fosse o papis deste moleque, daria um jeito urgente de encaminhá-lo a um psiquiatra. Vai que ainda dá tempo de salvá-lo.

Deixe uma resposta