STF tira a JBS de Moro e deixa a Lava Jato fedendo como nunca

1
405

Hoje saiu uma decisão da 2ª Turma do STF recusando a “intenção” do Ministro Luiz Edson Fachin de enviar para Sérgio Moro os inquéritos relativos à delação da JBS  é um duro golpe nas pretensões de Sérgio Moro em se tornar o único juiz brasileiro.

Há quem diga que no fundo era tudo teatro. Na peça encenada, Fachin ficaria isolado para dar a impressão ao público que desejaria ver os inquéritos para Moro, mas no fundo todos queriam que nada chegasse às mãos do juiz curitibano.

Criou-se a narrativa de que o caso “nada tem a ver com a Petrobras”, mas desde o início os janotistas estão usando a narrativa de que defender o acordo de impunidade da JBS é “ficar do lado da Lava Jato” (conversa mole que não convenceu 81% dos brasileiros, que são contra o acordo de impunidade).

Os ministros da Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal decidiram nesta terça-feira, 15, tirar das mãos do juiz Sérgio Moro delações premiadas da JBS que citam o ex-presidente Lula e o ex-ministro Guido Mantega (Fazenda). A decisão faz com que Moro devolva ao STF os depoimentos dos executivos Joesley Batista e Ricardo Saud, do grupo que fechou acordo de total impunidade com a PGR. Fachin “perdeu” por 3×1.

Fica a impressão de que o maior medo é que a JBS seja observada por um juiz como Sérgio Moro.

Até agora tudo (absolutamente tudo) que rodeia o acordo de impunidade da JBS está muito esquisito.

Aguardamos depois de setembro para investigar tudo em mais detalhes. Por enquanto, o cheiro de treta está muito, mas muito forte.

Anúncios

1 COMMENT

  1. Distintos amigos: O fato inaudito e incompreensível pela “Comunidade Jurídica Mundial” consiste na contradição do e.STF que sempre entendeu que acusados comuns não tem direito ao Fôro Privilegiado do Supremo Tribunal Federal,e sim ao fôro comum de pessoas, como todos nós : incluindo: JBS e ex-Presidente e ex-Ministro ,no caso sob a direção do Juiz Moro,transcrevo o Art.102 da Constituição Federal ,para maior compreensão:

    “Art. 102. Compete ao Supremo Tribunal Federal, precipuamente, a guarda da Constituição, cabendo-lhe:

    I – processar e julgar, originariamente:

    (…)

    b) nas infrações penais comuns, o Presidente da República, o Vice-Presidente, os membros do Congresso Nacional, seus próprios Ministros e o Procurador-Geral da República;

    c) nas infrações penais comuns e nos crimes de responsabilidade, os Ministros de Estado e os Comandantes da Marinha, do Exército e da Aeronáutica, ressalvado o disposto no art. 52, I, os membros dos Tribunais Superiores, os do Tribunal de Contas da União e os chefes de missão diplomática de caráter permanente; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 23, de 1999)
    (…)

    Não adianta argumentar: Concurso de Agentes,Conexão,Continência e etc. A separação dos processos é obrigatória, “Nem mesmo o Estado-Juiz pode se Contradizer a Si Mesmo”:

    “Dai a Moro o que é de Moro,ao STF o que é o do STF”

    Meus pêsames ao Egrégio Supremo Federal, à Comunidade Jurídica Internacional e ao Povo Brasileiro !
    ANGELO POCI I I

    (O Sh sabe…)

Deixe uma resposta