7 perguntas que Rodrigo Janot precisa responder

1
499

O leitor Luiz Eduardo Mello lembrou de sete questões que o PGR Rodrigo Janot precisa responder, urgentemente:

1. Janot havia garantido (conforme amplamente divulgado na mídia inclusive) que Miller não havia atuado no acordo de leniência após a sua exoneração, contudo, em seu despacho ao Min Fachin,, JANOT diz que Marcelo em abril, se apresentou no MPF como sócio do escritório TRW para negociar o acordo de leniência da JBS, ou seja, JANOT se contradiz de forma plena e cristalina. Questiona-se: Qual foi o motivo que o levou MENTIR SOBRE a participação de Miller na negociação do acordo?

2. No parágrafo 6º do despacho de Janot à Fachin, há uma menção que Marcelo havia prometido à Joesley uma sociedade (futura) com JANOT em um escritório de advocacia, após a saída do mesmo do cargo público. Veja que este tipo de promessa de sociedade não se faz sem anuência daquele que participará da sociedade. Questiona-se: Se de fato procedia essa promessa é gravíssimo o crime praticado por ambos, Miller e Janot.

3. Como explicar que Marcelo Miller estava fazendo jogo duplo debaixo do seu nariz, atuando para lograr um extremamente benéfico acordo à JBS e Janot não suspeitou de nada?

4. Marcelo Miller afirmou aos irmãos Batista que possuia influência sobre JANOT, bem como, na elaboração dos termos do acordo de delação. Afinal quem decidia, era o subordinado ou o chefe?

5. Marcelo Miller agiu sozinho (quando ainda estava no MPF), quando falou a Joesley quem o mesmo deveria gravar para fechar o acordo de delação premiada?

6. Por que Janot não pediu a prisão de Marcelo Miller como havia feito com o outro procurador flagrado no crime idêntico? 

7. Por que Janot não pediu a imediata prisão de Joesley e dos delatores dos audios, há menção nos audios de grampos de ministros do STF, dissolver o supremo tribunal federal, coação, inúmeros crimes.?? 

Obs.: Todas as informações acima foram fornecidas pelo próprio Janot ao ministro Fachin para justificar o pedido de revisão do acordo da JBS.

É, meus amigos, o caldo vai entornar para Janot.

Anúncios

1 COMMENT

  1. O caldo não vai entornar para Janot porque isso aqui é um bananão.

    No fundo ninguém do Estado quer a desmoralização do estado.

    O que sustenta o Poder é o MITO da imparcialidade e sabedoria do Estado.
    Quando esse misticismo cair por terra o Poder irá se diluir e não haveá mais SENHORES do Estado e SERVOS do Estado.

    Prender Janor pelos vários crimes cometidos acabaria englobando, no mínimo Fachin e ai a desmoralização do MITO seria tiotal.

    Toda a população perceberia que as tais AUTORIDADES não são seres UNGIDOS que governam para o bem do povo sem ambições particulares. Isso ainda esta incutido no subconsciente das massas desde a idéia bíblica de que os governantes são ungidos de deus.

Deixe uma resposta