Joesley e Saud dizem: “O que nós falamos não é verdade”. Isso complica a coisa ainda mais…

3
272

Depois que o filme queimou de forma épica, Joesley Batista emitiu uma nota junto a Ricardo Saub.

“A todos que tomaram conhecimento da nossa conversa, por meio de áudio por nós entregue à PGR, em cumprimento ao nosso acordo de colaboração, esclarecemos que as referências feitas por nós ao Excelentíssimo Senhor Procurador-Geral da República e aos Excelentíssimos Senhores e Senhoras Ministros do Supremo Tribunal Federal não guardam nenhuma conexão com a verdade. Não temos conhecimento de nenhum ato ilícito cometido por nenhuma dessas autoridades”.

A nota insiste: “O que nós falamos não é verdade, pedimos as mais sinceras desculpas por este ato desrespeitoso e vergonhoso e reiteramos o nosso mais profundo respeito aos Ministros e Ministras do Supremo Tribunal Federal, ao Procurador-Geral da República e a todos os membros do Ministério Público”.

Ué, se aquilo que está em áudio gravado não vale, como valeriam os áudios que Joesley gravou com Temer?

Vamos arrumar essa bagunça: se os áudios com Temer valem (e valem mesmo), o áudio entre Joesley e Saub também.

Não adianta mais chorar sobre o leite derramado. Falou? Está falado…

Anúncios

3 COMMENTS

  1. Até agora não vi nenhum coxinha paneleiro ir protestar na Paulista contra o fim dos direitos trabalhistas e contra o Temer. Não existe apartidarismo na política. Todos nós somos partidários sim, mas a direita sempre se esquiva querendo posar de “impoluta”.

    • Não há o que protestar, justamente, porque somente o pessoal da mortadela é que poderia reclamar alguma coisa. Se que há algo a reclamar. Para mais, que quem vive de coxinhas não é de reclamar muito, senão contra os ladrões petistas. Lula, Dilma e sua quadrilha. Simples assim…

  2. Cadê esses áudios que ainda não apareceram? Por quê está a Globo, o MPF e o STF amaciando o lombo da população já a mais de 24 horas, dizendo que foram ofendidos e etc.? Esse buraco chamado Brasil tá cada vez mais fundo, sujo e podre.

Deixe uma resposta