Homossexualidade não é doença, mas mentir para atacar todos os psicólogos é… doença de caráter

5
392

É preciso estudar cientificamente como instâncias de comportamento psicopático se manifestam na esquerda. Sempre encontramos falta de empatia e desumanidade para com o próximo.

O fato é que fazia muito tempo que os homossexuais lutavam pelo direito de receber tratamento psicológico caso estivessem confusos em relação à sua sexualidade. E sempre o Conselho Federal de Psicologia proibia esse tipo de tratamento a eles. Ou seja, apenas heterossexuais podiam ser tratados para questões relacionadas à confusão sexual.

Como se nota, a crueldade praticada pela extrema esquerda contra os homossexuais sempre foi do nível abismo.

Tanto que vimos a seguinte piada na web:

-Eu sempre gostei de mulher, mas estou sentindo atração por homens. Acho que vou procurar orientação psicológica.
-Puxa que bacana da sua parte. Lhe admiro por você ser uma pessoa de mente aberta. Super apoio você procurar uma orientação para se aceitar.

-Gosto de rapazes, mas ultimamente tenho sentido vontade de transar com mulheres, casar e ter filhos.
-Tá maluco? QueR se tornar um fascista homofóbico? Que se proíba toda e qualquer tipo de orientação para o seu caso!

Agora o juiz federal da 14ª Vara do Distrito Federal Waldemar Cláudio de Carvalho concedeu liminar que permite aos psicólogos oferecerem esse tipo de consulta.

A decisão começa assim: “Sendo assim, defiro, em parte, a liminar requerida para, sem suspender os efeitos da Resolução nº 001/1990, determinar ao Conselho Federal de psicologia que não a interprete de modo a impedir os psicólogos de promoverem estudos ou atendimento profissional, de forma reservada, pertinente à (re) orientação sexual, garantindo-lhes, assim, a plena liberdade científica acerca da matéria, sem qualquer censura ou necessidade de licença prévia por parte do C.F.P., em razão do disposto no art. 5º. inciso IX, da Constituição de 1988”.

De forma obscurantista, o CFP já havia punido com censura pública, em 2009, a psicóloga carioca Rosângela Alves Justino, que oferecia terapia para ajudar homossexuais que buscassem terapia.

Para isso, o CFP fazia uma narrativa para fingir que terapia seria “tratamento de doenças”, o que psicólogos não fazem. Psicólogos não são médicos, logo não podem curar qualquer tipo de doença. O CFP sabia disso e fingiu o tempo todo para encenar que ela teria infringido uma resolução do Conselho Federal de Psicologia, de 22 de março de 1999, na qual a entidade afirma que a homossexualidade “não constitui doença, nem distúrbio e nem perversão”.

Só que a psicóloga obteve parecer favorável da Justiça para fornecer o tratamento.

É preciso também que os homossexuais que queiram buscar terapia de qualquer tipo processem o CFP por tentar tirar deles o mesmo direito que já é dado aos heterossexuais.

Pessoas confusas em relação a sua sexualidade existem tanto entre gays como héteros. Permitir que apenas os últimos busquem terapia é uma forma terrível de preconceito aos gays. Aliás, esse discurso é também homofóbico ao tratar os gays como se fossem incapazes de decidir que tratamentos psicológicos devem buscar ou não.

O pior é dizer que buscar terapia é “curar doença”, configurando também uma falsa informação sobre a profissão de psicólogo, que não são médicos.

A tática está sendo utilizada por toda a extrema esquerda, podendo trazer consequências gravíssimas sobre os psicólogos.

Veja as declarações absurdamente preconceituosas, obscurantistas, totalitárias e desumanas de Jean Wyllys, que há muito tempo diz representar a comunidade LGBT:

Para que fique claro, de uma vez por todas: não existem terapias de reversão da homossexualidade. O que existe é charlatanismo! A decisão do juiz de Brasília é um absurdo completo e atende, exclusivamente, aos que exercem a pseudo “psicologia cristã” para manter homossexuais que não se compreendem – e por isto, em algum grau, repudiam a si mesmos por causa do seu desejo – dentro das igrejas. E é justamente por isto que certos membros da bancada evangélica aqui na Câmara andam tão empenhados em derrubar uma norma legítima, tomada pelos próprios profissionais em um conselho de classe igualmente legítimo!

Ocorre que nenhum psicólogo “cura doenças”. Para fazê-lo, teriam que exercer medicina de forma ilegal (e isso não é permitido aos psicólogos). Para poderem manter o frame de que “ao permitir terapia com psicólogos, estão chamando homossexualidade de doença”, a extrema esquerda precisará formalizar a acusação de exercício ilegal da profissão contra os psicólogos em geral.

Em suma, diante do uso de termos como “cura gay” e “homossexualidade não é doença” (para se referir ao direito dos homossexuais buscarem psicólogos para questões sexuais), os psicólogos podem lançar uma chuva de processos sobre a extrema esquerda. Homossexuais que se sentirem discriminados – por tentarem negar a eles o direito de buscar a mesma ajuda que já é permitida aos héteros – também poderão processar o CFP e a extrema esquerda até por homofobia.

No fundo, o discurso da extrema esquerda não apenas mostra extrema desumanidade para com os LGBT. Demonstra também doença de caráter.

Anúncios

5 COMMENTS

  1. Distintos amigos: “Nunca vi tantos estudiosos,principalmente,especialistas tão confusos,explico: Todo animal vivencia ciclos de Homoafetividade,reparei isso em cães,gatos,ratos e cavalos,o homem também se submete a esse fenômeno,e é exatamente por isso que nenhum deles deva ser considerado doente,é uma coisa natural,porém o ser racional voluntariamente contrariar a Natureza, além de ser uma Infâmia, é a pior Doença que até supera a Insanidade”
    Saudações,
    ANGELO POCI I I

    • Então, se uma pessoa casada se sentir atraido por outra, deve sempre seguir a natureza, pois se ela resolver respeitar a companheira estará voluntáriamente contrariando a natureza e cometendo uma infâmia e seria uma doença pior do que uma insanidade?

      Acho que você deve rever seus conceitos!

      Fique em paz!

  2. O texto foi ótimo e quase destacou que tanto o CFP quanto os da extrema esquerda agravam o preconceito social que as pessoas têm de quem faz terapia com psicólogo, isto é, doentes que procuram alguma cura. Esse preconceito faz com que pessoas tenham vergonha de fazer terapia ou sequer procurar uma.

  3. Mas, hein? Você não tem vergonha de contar mentira descarada não? Já começou o texto baseado numa mentira. Os psicólogos NUNCA foram proibidos
    de acolher e tratar heterossexuais e homossexuais que precisem de orientação com relação á sexualidade.

    • Lamentamos informar que a psicóloga citada na reportagem foi sim proibida de fazer terapia com seus pacientes, no tocante a sexualidade. Leia a decisão do juíz, está disponível no site do TRF-1, do contrario é pura dificuldade em interpretação de texto…

Deixe uma resposta