Moro saiu com a imagem ilesa na Lava Jato por ter sido discreto e não apoiado o acordo de impunidade da JBS

1
222

Um dos segredos bem guardados de alguns formadores de opinião que tratam da política nacional é o receio que muitos tiveram – entre maio e setembro – de que Sergio Moro fosse cooptado pela tropa de Janot para emitir narrativas em favor do acordo de total impunidade da JBS.

A análise de contexto dava a entender que Janot passou a contar com os procuradores Deltan Dallagnol e Carlos Fernando de Lima – que então nutriam razoável reputação, que foi danificada nos últimos meses, especialmente em relação ao último – para emitir narrativas dizendo que “o acordo foi correto” ou ao menos justificável.

Em 26 de maio, Deltan chegou a compartilhar um artigo de outro procurador que defendia o acordo de total impunidade.

Carlos Fernando foi além, e ao ser questionado sobre se o benefício foi excessivo, disse, em 28/07: “Eu faria o acordo? Faria, se eu estivesse na mesa [negociando]. O material é mais do que suficiente. O problema é o quanto você quer o acordo e em quanto tempo. É mais ou menos como o relacionamento amoroso. Você deseja muito uma pessoa e a pessoa percebe. Ela passa a exigir, dizer: eu quero só casamento”.

Isso pegou mal, muito mal.

Durante esse período, se pensou na publicação de manifestos para que Moro não desse o mesmo apoio, pois quando a bomba viesse a estourar lá na frente (como aconteceu em setembro), o juiz iria junto, dado que todos veriam que o acordo de impunidade todo foi vergonhoso. A imagem de quem o apoiou seria danificada.

Mas havia um risco: se o aviso fosse dado publicamente, a equipe de Janot poderia armar uma tática para pressionar Moro a dar a declaração. Por isso, nada teria sido publicado.

A partir de então contamos com a tradicional discrição de Moro, o que funcionou. Moro não deu nenhuma declaração em favor do acordo de total impunidade de Joesley e Wesley e quando o ventilador espalhou excrementos por todos os lados na primeira semana de setembro – com a liberação das gravações entre Joesley e Saud, levando ao cancelamento do acordo -, a imagem de Moro ficou ilesa.

Com a imagem de Moro intacta, a Lava Jato segue forte.

Anúncios

1 COMMENT

  1. Sou admirador, e tenho compartilhado grande parte das publicações ( o conteúdo MRK) todavia é no minimo simplista, se não afirmação conspiratória “Titular da 13º Vara do TRF-4” sair ileso, da FT , por sua discrição??

    -Á indiscrição de aturar sobre a CPI do Senado, e CPI conjunta do Congresso Nacional (CPI da Petrobras) onde ninguem foi indiciado, e em cima dessa determinação condenar mais de 115 intocáveis:
    -Á Indiscrição de Recuperar mais de 30 bilhões:
    -A indiscrição de vazar escutas telefônicas da PRESIDENTA evitando a posse do Banidão:

    A Indiscrição Manter Poderosos Em cana sob prisão Preventiva ate arrancar Delações, não significa nada ao exito do qual ele se tornou expoente da reviravolta que evitou que o Pais nao se tornase uma Venezuela, se deve ao fato de que não foi preso e desacreditado por Indiscrições ???

    O estouro do Banco Clandestino do Presidente Michel Temer (malas em apartamento desmobiliado entesourando dinheiro vivo no montante de 57 milhões), foi atuação lideranda pelo destemido Rodrigo Janot… Petição das prisões de Aecio Neves/Jucá/Sarney/Renan e até do Temer foi uma iniciativa do Janot… Depois do Roberto Gurgel (principal responsável pelo mensalão) o Janot foi o maior de todos os Procuradores que ocupou o Cargo.

    Por favor, vcs tem que no minimo exigir a prisao do LULA em conjunto com a Prisão do Aécio, Dilma Serra e Temer

    Voces só estão validando a tese da Fedorenta Senadora Fatima GOPI Bezerra
    Obs.. Uma simples opiniao de alguem totalmente leigo em politica

    :
    ]

Deixe uma resposta