Juiz falsamente acusado de aprovar “cura gay” se manifesta, mas ainda não processou ninguém

4
393

A grande mídia novamente fez aquilo que mais sabe fazer: propagar “fake news”. Nesta semana, o maior surto de “fake news” ocorreu a partir da criação de uma narrativa dizendo que um juiz, Waldemar Cláudio de Carvalho, da 14ª Vara do Distrito Federal, teria permitido a “cura gay”.

Desde o início já sabíamos que tudo não passava de fraude. Na verdade, o truque do CFP (Conselho Federal de Psicologia), junto com a extrema esquerda, foi fingir que “psicólogos curam doenças” – o que é falso – para dizer que homossexuais não podem buscar terapia para tratar questões de confusão sexual, pois isso seria uma “cura gay”. A acusação é gravíssima, pois se for verdade que o CFP considera que “psicólogos curam doenças”, então automaticamente todos os psicólogos do Brasil estão na ilegalidade, pois estariam exercendo ilegalmente a medicina, única área que pode “curar doenças”. Ou seja, para fazer narrativa, o CFP se juntou a extrema esquerda para difamar toda uma categoria profissional.

O fato é que na última segunda Waldemar concedeu uma liminar por tornar legalmente possível que psicólogos atendam homossexuais da mesma forma que já atendem os heterossexuais, inclusive para tratar de questões relacionadas à sexualidade.

Como sabe que os jornais da mainstream media estão mentindo, ele não dará entrevistas aos picaretas. Afirmou que quem tiver dúvidas deve ler sua decisão judicial.

Veja, na íntegra, o comunicado do juiz:

Considerando que em nenhum momento este Magistrado considerou ser a homossexualidade uma doença ou qualquer tipo de transtorno psíquico passível de tratamento;

Considerando ser vedado ao Magistrado manifestar, por qualquer meio de comunicação, opinião sobre processo pendente de julgamento (art. 36, III, da Lei Orgânica da Magistratura Nacional);

Considerando existir meio processual adequado à disposição das partes para pedir o esclarecimento de eventuais obscuridades ou contradições em qualquer decisão judicial.

Este Magistrado vem a público declinar dos convites a ele formulados por diversos meios de comunicação no intuito de debater ou esclarecer seu posicionamento acerca da questão. Espera-se a compreensão do público em geral, em especial daqueles que não tiveram a oportunidade de ler, em sua integralidade, a referida decisão, que se encontra disponível no sítio do TRF1

Ou seja, mais uma vez a extrema esquerda – especialmente na mídia – é exposta como praticante de mitomania.

Homossexualidade não é doença. Mitomania é. E o juiz mostrou que a mídia brasileira está doente.

O juiz deveria processar pelo menos uma dezena de socialistas que fizeram a narrativa de que ele “tentou legalizar a cura gay”.

Mas por enquanto, fica a refutação.

Anúncios

4 COMMENTS

  1. Em relação a doenças psíquicas elas existem e não são somente curadas com medicamentos (médicos) e sim também por processos psicoterápicos, incluindo doenças psicossomáticas (físicas) quando medicamentos não conseguem resolver, por se tratar de uma origem emocional, logo, só consegue com psicoterapia. Há sim cura obtida por meio da psicoterapia. Dizer que cura é e somente só por meio da medicina é “ato médico”, coisa que até muitos médicos reconhecem e encaminham ao psicólogo quando os remédios farmacológicos não mais surtem efeitos.

Deixe uma resposta