Fátima Bernardes sucumbe ao seu próprio livro de regras por falta de “diversidade” em foto

2
190
Imagem: Reprodução/VEJA SP

Saul Alinsky ensina que uma das 13 regras para táticas na política é fazer seu adversário “sucumbir pelo seu próprio livro de regras”.

Basicamente, isso significa mostrar as contradições do oponente, especialmente na comparação entre discurso e comportamento. Com isso, apontamos a hipocrisia do oponente.

Foi o que aconteceu com Fátima Bernardes – que em seu programa estimula a cultura da lacração, ou seja, do uso de vitimismos diversos para obter capital político e praticar a encenação de virtude -, que, ao voltar de férias em Mônaco, Fátima foi recebida por vários amigos de seus filhos, que fizeram uma surpresa para ela. As informações daqui pra baixo são da Veja SP.

“Chegar de férias e encontrar a casa assim é bom demais”, escreveu, na legenda do clique. A imagem foi recebida com uma saraivada de críticas, por um motivo curioso: a falta de “diversidade” entre os convidados.

“Cadê o negro, o gordo, o transexual? Diversidade para os outros é refresco”, reclamou um seguidor. “As minorias que a Fátima diz defender só entram mesmo no Projacquistão. Na casa dela só tem branco e hétero. É tipo aquela frase ‘socialismo pra vocês, capitalismo pra mim”, disse outro. “Aqui podemos ver a representatividade trans, negra, indígena, lésbica, de periferia que a nossa rainha da lacração de todas as manhãs prega. Vai, planeta!”, observou outra.

Ou seja, ela sucumbiu pelo próprio livro de regras. Isso é Alinsky.

Anúncios

2 COMMENTS

  1. O que esperar se vem da Globo, esta emissora é a emissora da mentira e da degradação dos valores morais. Agora até quando nós iremos conviver com essas degradações morais.

Deixe uma resposta