A atriz esquerdista Samara Felippo diz que “branco tem que calar a boca” mas ela não segue a regra

7
255

Uma matéria da Veja Rio mostra a que nível chega a falta de respeito da elite de artistas milionários para com as minorias, utilizadas por eles de forma a se adequar às suas conveniências políticas.

Leia, a respeito das declarações da atriz Samara Felippo:

Enquanto grava as cenas para a próxima novela da Record, Apocalipse, que estreia em novembro e traz Sérgio Marone como anticristo, Samara Felippo se dedica ao canal que acaba de lançar no YouTube sobre empoderamento infantil negro. Explica-se: mãe de Alícia, de 8 anos, e Lara, 4, nascidas do casamento com o jogador de basquete Leandrinho, que é negro, a atriz se viu às voltas com o preconceito racial quando a primogênita cismou em alisar as madeixas. “Que mundo é esse? Já recebi um vídeo em que uma mãe esticava os cabelos da filha de 2 anos e a menina chorava de dor. Quero preservar a autoestima das minhas filhas e de outras crianças. A negritude é linda”, afirma Samara. “O branco tem de calar a boca e ouvir. Na minha casa, não entram mais Barbies loiras nem expressões como ‘mulata’ e ‘minha nega’.”

Com tão poucas declarações, ela conseguiu desrespeitar duas minorias.

Primeiro, praticou desrespeito racial ao querer definir, no lugar deles, como os outros deveriam agir. Como branca, Samara Felippo não deveria dizer como os outros deveriam agir diante dos afrodescendentes. Isso se chamar roubar o lugar de fala.

Em segundo lugar, ela assumiu uma postura de subalterna em sua casa. Uma vez que ela sendo branca deve ficar calada, isso configura submissão. Quer dizer: ela desrespeitou as mulheres também.

Essa tirada de Samara foi uma das mais desastradas instâncias de virtue signalling (encenação de virtude) dos últimos tempos.

Em tempo: alguns dos “ganchos” para virtue signalling são evidentemente exagerados, mas é assim que os SJW’s os utilizam. Sendo assim, estou julgando Samara pelas regras dos SJW’s.

Em tempo (2): se ela, como branca, diz que “os brancos devem calar a boca”, por que ela está falando?

Anúncios

7 COMMENTS

  1. Só que ela não é branca, ela é mestiça (aliás, como a esmagadora maioria da população brasileira). E se a Educação não tivesse sido tão sucateada pelos cretinos gramsci-freiristas, talvez essa anta soubesse que seus filhos são mulatos e não “negros”. Sei que ninguém ensina mais isso, então vou enunciar aqui o que a gente aprendeu lá nos anos 60 e 70 (e os nomes são técnicos/históricos, nada há de “racista”…quem acredita nisso, foi gramsci-freirizado e/ou é um jumento ideológico): (1)- MULATO = cruza de branco com negro; (2)- CAFUZO = cruza de negro com índio; (3)- CABOCLO ou MAMELUCO = cruza de branco com índio (tecnicamente – do ponto de vista etno-genealógico e embora tenha a pele branca como uma vela -, sou meio caboclo, meio cafuzo e não há absolutamente nada errado com isto). Há outros. #RacismoTáMuitoNaCabeçaDeQuemFalaM_ #VaiEstudarSuaCavalgadura

  2. Infelizmente ela vem alimentando o preconceito dentro de casa, excluindo as barbies brancas, cria uma diferenciação entre negro e branco sendo que ambos deveriam andar juntos. Pena dessas meninas que iram crescer tento raiva de branco. Ela prega o preconceito dentro de casa e não se percebe. Cale a boca vc que fala tanta abobrinha. Obs: Sou morena

  3. O que eu tem com a vida dela se as filhas não querem alisar os cabelos, p/ ela me ofender sou branca com sangue de índio e de negro sou brasileira e tenho orgulho do que sou ,nunca fui a rede socias falar dela ou filhas em ser branca ou negras . Me respeite sua sem noção !!!

  4. Como disse o professor Luiz Felipe Pondé no programa Painel: “Esquerdista não lê, não estuda, mas fala de tudo. São papagaios autoritários que disparam sempre a mesma frase”. Em suma imbecilizados.

Deixe uma resposta