Extrema esquerda trai elite artística e detona campanha de papel higiênico preto

4
274

Essa extrema esquerda anda tão ouriçada ultimamente que eles de vez em quanto dão tiros em seus próprios aliados.

Conforme lemos na Folha, grupos de extrema esquerda estão protestando contra a Santher – Fábrica de Papel Santa Therezinha S/A, que está sendo acusada de racismo por usar como slogan o nome de um movimento negro, o “Black Is  Beautiful”.

Eles estão pegando no pé da empresa por causa de um produto de seu catálogo, um papel higiênico de cor preta, a marca Personal.

A campanha da Personal, que usa a hashtag #BlackIsBeautiful, foi criada pela agência Neogama e começou a ser divulgada nesta segunda (23).

A estrela da campanha é a atriz Marina Ruy Barbosa, ou seja, alguém pertencente à elite de artistas milionários que tão úteis tem sido às campanhas de extrema esquerda.

Em comunicado enviado a jornalistas, a Personal afirma que “a cor sempre foi considerada ícone de estilo e refinamento nos universos de luxo e da moda” e que a “campanha reflete essa integração entre a cor e a sofisticação”.

Os movimentos de extrema esquerda estão dizendo que o termo “Black Is Beautiful” surgiu nos EUA para enaltecer características físicas de negros.

“Pessoas morreram para que essa expressão fosse reverenciada até hoje. Pessoas continuam morrendo e essa expressão é mais importante e vital que nunca”, disse o escritor Anderson França, que faz uma narrativa buscando se mostrar contrário a campanha.

“Usar #Blackisbeautiful como slogan pra vender papel higiênico, caras. Como é possível isso? Que coisa horrorosa”, disse outro internauta, usando táticas de encenação de espanto.

Humilhados por seus aliados, a Neogama e a Santher afirmam que retiraram o slogan da campanha e pedem desculpas “por eventual associação da frase adotada ao movimento negro, tão respeitado e admirado por nós”. Em resumo, é a humilhação total, uma vez que na guerra política o máximo da derrota significa ter que pedir desculpas.

Ainda neste ritmo de humilhação, eles seguem dizendo que “nenhum outro significado foi pretendido”, que refutam “toda e qualquer insinuação ou acusação de preconceito” e que lamentam “outro entendimento que não seja o explicitado na peça”.

Em suma, apanharam. A elite artística de extrema foi traída.

Anúncios

4 COMMENTS

  1. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk… papel higiênico preto…. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk… falta o papel toalha preto… o guardanapo preto… que lixo os tempos atuais. MALDITA ESQUERDOPATIA.

  2. Comédia estes friendly fire da esquerda. Pior é a falta de senso de certas empresas e artistas engajados em querer lacrarem com alguma pauta progressista, e fazerem umas asneiras dessas. Os caras me fazer um sabonete da negra virando branca, agora lançam u papel higiênico preto para limpar a buzanfa. Até eu que não problematizo tudo tenho plena noção de que vai dar m****.

  3. Escrotisse das grandes. Esse é o problema. As pessoas te definem como esquerda ou direita como se isso fosse uma regra a ser seguida.
    No meio dessa idiotisse toda, tem aqueles que defendem o que consideram certo, e não tem problema nenhum se por vezes alguem se identifcar com as posições tidas como “de direita” e em outras vezes as “de esquerda”.
    É tolice DAS GRANDES considerar isso uma traição.
    Usar dois tipos de rótulos como um “perfil social” é simplesmente ignorar tudo aquilo que nos torna individuos críticos e pensantes.

Deixe uma resposta