Mãe de criança induzida a tocar em homem nu no MAM silencia de forma covarde diante de Magno Malta

32
517

Aqueles que possuem argumentos e oportunidade dificilmente deixam passar uma oportunidade de expor suas defesas.

Mas fica claro que Elizabete Finger, a mãe que motivou a própria filha a tocar várias vezes em homem nu, durante apresentação no Museu de Arte Moderna de São Paulo, não tem como justificar o indefensável.

Ao ser questionada por Magno Malta na CPI dos Maus-Tratos em Crianças e Adolescentes no Ministério Público de São Paulo, a resposta dela foi o silêncio covarde.

Assista:

Anúncios

32 COMMENTS

  1. Ueee não quis protestar …. Nenhum discurso de esquerda aqueles mantras. Artistas não foram lá apóia. Deveriam ter ido com seus netos e filhos. Caetano não foi???

  2. Não suporto vê e da Ibope para essa mulher doente, se não bastasse agora quer adoecer a criança….. Parabéns senador Magno o senhor nos representa!

  3. Vagabunda sem vergonha, canalha, te julgo sim, vc é uma imbecil , eu quero ver todos comunistas, ptistas essa raça de feministas e gays tudo no inferno, cambada de hipócritas canalhas.
    Cadê o respeito com essa criança.

  4. Quanta hipocrisia! Não vejo ninguém, nem um promotor, nenhuma ONG, nem conselho tutelar, nem senadores se indignarem com os meninos e meninas que tarde da noite entram no metrô com a cara prateada pedindo esmola, como o pai/mãe usando filho/filha pedido esmola, num horário que deveria estar na escola. Não estou defendendo a mãe, mas alguém pediu autorização para gravar e divulgar o fato? Quem divulgou e divulga, também não incorre no desrespeito ao ECA? Menos politicamente correto e mais cuidado com a exploração de crianças e adolescentes.
    Estou usando meu direito de opinar, não estou aqui fazendo apologia a nada, somente levantando uma discussão: o que é mais danoso a construção de caráter, levar a uma exposição de arte ou expor a criança/adolescente em situações degradantes?

      • Não, não é só esse erro. A história de que “todo mundo se preocupa com X e nem vê Y” é uma falácia das bravas. É uma mistura da falácia da causa diminuta ( https://pt.wikipedia.org/wiki/Causa_diminuta ) com a falácia da false dicotomia ( https://pt.wikipedia.org/wiki/Falsa_dicotomia ), que já foi nomeada de Falácia da Maior Relevância X Menor Relevância ( http://adtantumargumentandum.blogspot.com.br/2013/06/falacias-maior-relevancia-x-menor.html ).

        BASICAMENTE, o cara trata as pessoas e instituições como capazes de tratar apenas um problema. É possível tratar ambos. Não se deve ridicularizar um problema porque outro “é mais importante”.

        Imagine só se só pudéssemos tratar de um problema por vez…

      • Pedro obrigado por entender minha opinião. Mas arte é isso ser questionada, a arte é interpretativa. A censura cabe a o responsável legal quando se trata de menor, o estado deve sim tomar e disciplinar situações de risco iminente na formação da crianças/adolescentes, que vivam em situação de risco, e convenhamos, não faz nem o mínimo necessário. Então quando uma família devidamente estruturada define o que bom ou não para o desenvolvimento intelectual, psicológico de seus membros, se houver alguém que não concorda com a postura da família/responsável, que faça uma notificação aos órgãos competentes, e não usar redes sociais para fazer linxamento moral, pois o que estão fazendo com a mãe e a avaria, ultrapassa tudo o que é coerente. Analisam um fato, alguém conhece a posição educacional/intelectual/econômica dela é da família? Só estão julgando por um único episódio, minhapesquisou e trouxe a público a relalidade dela.
        Se pensar em arte como mediocridade muitas obras universal (capela Sistina, museu do Louvre, etc) deveria ser proibido a entrada de menores.
        Para encerrar, museu é local público, vai quem quer, televisão assiste quem quer, cinema e teatro autorização quer.
        É muito desses calços moralista, acham normal assistir os BBBs,FAZENDAS, etc todas as noites junto com esposas e filhos menores. E aí? estão errados?
        Desculpa o tamanho do texto, mas entenda como um diálogo entre conhecidos. Abraço.

  5. Mas é claro, iria falar o quê? Falaria aquele discursinho ordinário marxista, diante de uma CPI? Coitadinha dessa menina, brinquedinho nas mãos da própria mãe.

  6. O maior culpado é Deus que criou a obra de arte chamada corpo humano. A mãe não deve quaisquer explicações e deve ter sido bem orientada pelo advogado neste sentido. O texto acima é sensacionalista e parcial. Lamento.

  7. Na hora de fazer alarde contra um posicionamento sério contra essa baixaria aparecem dezenas de defensores da ” arte” com seus discursos evasivo e s conteúdo, agora qnd o bixo pega nao aparece um desses imundice tem q ser brasil mesmo e essa mae tem q arcar com as consequências bem como aquele idiota q chama de artista

  8. Essas pessoas não tem sentimentos de culpas, estão mortos interiormente. A devassidão nesse planeta é tão grande que, logo, logo, vai aparecer mais e mais gente seguindo os mesmos passos dessa “mãe” e eles não se importam em quem estão atingindo, se crianças inocentes, ou quem quer que seja. Tudo que importa pra eles é afrontar a sociedade de bem, isso é como religião, deixa cegos.

  9. Esta mulher que não tem nenhuma característica de mãe, ficou calada não só porque é covarde, mas também porque sabe que o que ela fez foi o terrível pecado de expor sua própria filha, incentivando a a tocar um pedófilo, pseudo artista. Não se importando com o que isto poderia gerar de horror em sua pequena filha. Ela merece ser presa. Esta criança precisa de proteção, para não estar sempre sendo vendida pela própria mãe, com o imperdoável pretexto de “arte”. Uma gata, uma vaca, qualquer animal defende melhor sua cria.Que está criminosa saiba que Jesus disse: “Quem escandalizar um destes pequeninos,que crêem em mim, melhor seria para ele que lhe pendurassem uma pedra de moinho ao pescoço e o jogassem no fundo do mar.. Aí do mundo por causa dos escandalos! Cuidado para não desprezar um desses pequeninos”! Este é o meu recado para ela. Cuide se!

Deixe uma resposta