Professora que proibiu policial de fazer prova por usar farda desrespeitou duas profissões ao mesmo tempo

144
528

Um dos fatos mais revoltantes dos últimos dias é o caso da aluna do curso de Direito na Universidade Estadual da Paraíba, que foi impedida pela professora de entrar na sala de aula e realizar uma prova por estar com uniforme da Polícia Militar.

Esse caso de preconceito ocorreu na Cidade de Guarabira, no Agreste do Estado, na última terça (31): uma aluna de Direito na UEPB, que também é Policial Militar, foi realizar uma prova, mas foi impedida pela professora por que usava farda e estava armada.

O chefe adjunto do curso, Agassiz Almeida, disse que a professora perguntou à aluna se ela estava de serviço. Ao confirmar que sim, a policial disse ter obtido autorização do oficial do dia para realizar a prova, mesmo estando fardada. A professora então criou a narrativa de que a policial deveria realizar a prova em outra oportunidade “para não prejudicar o trabalho”.

A Caixa Beneficente dos Oficiais e Praças da Polícia Militar e do Bombeiro Militar da Paraíba emitiu uma nota afirmando que a situação causou “constrangimento não só à pessoa da policial, mas a todos os integrantes da corporação, demonstrando claro preconceito profissional, o que deve ser combatido nos dias atuais”.

Com toda a razão, o órgão vai acionar a UEPB judicialmente e pedir o afastamento da Professora. Mas é pouco. É preciso de punição maior,  pois temos um claro caso de preconceito por questões profissionais.

Observe que a PM disse que estava de serviço. Para praticar seu ato de preconceito, a professora disse que ela deveria fazer a prova em outra oportunidade “para não prejudicar seu trabalho”. Quer dizer: ela acusou a PM de ter mentido. A professora também deve ser processada por isso.

O constrangimento causado à policial é imperdoável, mas também é preciso dizer que tudo isso é resultado da contínua campanha de ódio que a extrema esquerda vem perpetrando contra os policiais. No fim de semana, na Globo, o Fantástico fez uma matéria para difamar os policiais, dizendo que eles são a polícia que “mais mata” no mundo, omitindo o fato de que é a que mais morre também. Informações enviesadas desse tipo servem apenas à campanha de ódio.

A PM tinha pleno direito de ser tratada como qualquer outro profissional que fosse fazer a prova.

Vale lembrar que no Brasil tem gente que permite que um aluno possa até assistir aula pelado. Mas por que não pode fazer o mesmo fardado?

No vídeo abaixo, divulgado na página do vereador de Londrina, Filipe Barros, vemos a extrema arrogância de do diretor do centro, defendendo todas as atrocidades da professora.

Essa professora desrespeitou duas profissões ao mesmo tempo. Atacou a classe dos policiais e ainda causou danos à imagem dos professores, que deveriam rejeitar o que ela fez.

 

Anúncios

144 COMMENTS

      • Ué? Mas ela não é Policial? Eu sempre levei minha arma, nas aulas da faculdade! Qual o problema? Para os “burros de plantão”, o simples fato de ser Policial já autoriza a ter porte de arma e que a policia só é proibida de entrar armada, e a paisana, em locais de divertimento público ou incompatível com a profissão! A faculdade não é local de divertimento e nem incompatível com a função Policial! E se eu me sentiria confortável numa sala de aula com alguém armado? Mas é claro que sim, ela é Policial! Mas que mulher mais “burra”! Se bem que uma pessoa assim, eu nem deveria ofender o animal!

      • fez, porque ela é inteligentissima, se ela tivesse prendido a professora por desacato, talvez ela responderia um processo por abuso de autoridade, infelizmente as leis não defendem quem está certo… É lastimável a atitude da professora..

      • Com a policial armada na sala de aula, ali seria o lugar mais seguro
        na universidade, desse jeito vão querer até proibir os policiais de andarem em ônibus, Maria Rodrigues você é daquelas que adora falar mau dá polícia e quando se sente insegura vai logo atrás dá polícia.

      • Então.. quando houver algum Crime, Assalto etc dentro da sala de aula vc sua P… chama quem? se for a Polícia, estes Policiais devem irem desarmados!! me Poupe sua Esquerdista, Comunista dos Infernos

      • Já tive vários alunos da PM e do Exército que assistiam minhas aulas armados. Só pedia para conferirem a trava da arma e a aula transcorria sem maiores intercorrências.

    • Por que a policial não aceitou fazer a prova outro dia? Evitando todo esse constrangimento, e sem falar que ela poderia já ter antecipado tudo isso informando que no dia da prova ela estaria de escala entrando de acordo com professora para evitar qualquer constrangimento. Ao meu ver vejo que a polícia que mostrar autoridade em várias situações mais na hora que mais precisamos deles não vejo esse poder todo.

      • As pessoas vão a uma faculdade para estudar, e fardada? Qual a profissão dela? Polícia! E quem pode andar armada e fardada? A Polícia! E armada, mas sem a farda, quem pode andar? A Polícia! E por que avisar a professora que iria fardada? É a profissão dela! Leia a Constituição! O que é poder de Polícia! Eu sou um que nunca entraria nesta faculdade, pois se uma professora de Direito não conhece as Leis, então como ela vai me ensinar?

      • por que a policial é diferente dos outros alunos? o que acharia se um professor falasse pra um negro fazer a prova outro dia? ele teria que aceitar pra evitar constrangimento? kkkkk não tem como defender o indefensavel.

      • David, seu escravocrata, você não sente vergonha de apoiar escravidão e desrespeito a profissões? Ela tem direito sim a fazer a prova. Você é um canalha seu escravocrata.

      • E por que fazer outro dia, a prova? normalmente uma prova é separada em três partes: fácil, média e difícil. Quando um aluno faz a prova em outro dia, o professor não fará uma prova mais difícil, pois o aluno terá mais tempo pra estudar e não é a mesma prova, então terá peso diferente na avaliação! não é justo!

    • Sim, a polícial poderia, mas ela não fez, porque ela é inteligentissima, se ela tivesse prendido a professora por desacato, talvez ela responderia um processo por abuso de autoridade, infelizmente as leis não defendem quem está certo… É lastimável a atitude da professora..

    • Ela não deixou de ser Policial, por estar dentro de uma sala de aula, ou onde quer que fosse o local!
      A professora queria gerar constrangimento e tumulto, conseguiu facilmente.

  1. […] Falamos um pouco mais sobre o casa da professora de Direito da UEPB (Universidade Estadual da Paraíba) que proibiu uma policial fardada de fazer uma prova. Esse caso de preconceito ocorreu na Cidade de Guarabira, no Agreste do Estado, na última terça (31): uma aluna de Direito na UEPB, que também é Policial Militar, foi realizar uma prova, mas foi impedida pela professora por que usava farda e estava armada. […]

  2. A Universidade deve protocolar uma representação contra a policia militar e o oficial que liberou a servidora no Ministério Público ou no Ministério Público Federal, pois os extipêndios desses servidores militares são custeados com recursos públicos e a policial é uma servidora pública, recebe seu soldo com os impostos pagos pela população, e não é empregada pessoal do oficial que a liberou. O oficial dá PM não dispõe de nenhuma prerrogativa que lhe autorize a liberar do serviço pessoal as custas dos cofres públicos. Causa estranheza que uma estudante de Direito não tenha se apercebido dessa contradição. Se a moralidade no trato com o dinheiro público deve ser obedecida até pelos magistrados e dirigentes políticos, não haveria de ser obedecida por meros servidores militares estaduais?

    • Meu amigo que comentários infeliz, estuda um pouco de direito administrativo.olha o oficial de dia tem o direito administrativo ao seu favor ele pode sim autorizar esta polícial para fazer a prova mesmo estando de serviço,em outra oportunidade pagar por esta hora que ela ficou fazendo a prova.seu Zé.

      • Ainda bem que temos o Senhor de inteligente, nos comentários! Por que uma professora de Direito proibir uma aluna Policial de entrar em sala de aula, por que ela acha que a Policial deveria estar na rua trabalhando? Eu nunca recomendaria essa faculdade! Hehehehehe

    • Assim como o Diretor de escola tem a função de gerir a coisa pública (Escola) e pode liberar o professor, o Oficial PM tem a função de gerir a coisa pública (Polícia Militar) e pode liberar o PM. Por isso Diretor ganha bem e por isso Oficial PM ganha bem. Agora os nobres gestores (Diretor e Oficial), devem sentar juntos e tomar providência em relação à professora sem ética e mal educada, quanto à PM que deveria pedir dispensa do serviço ou ido à paisana pra não chamar atenção.

    • Vc só esquece que servidor público seja qual for, dispõe de hora para almoço, ou seja ela poderia fazer uso para realizar a prova em sua faculdade…

    • Todas as profissões têm essa prerrogativa. Eu concordo que o cidadão possa evoluir nos seus estudos. Senão estaremos jogando o povo a escravidão. Ora, tem um monte de aluno que vai pra faculdade só pra fumar maconha, que não estuda, Não faz PN e nós sustentamos com nossos impostos. Apoio total a policial.

    • O objeto em questão é o fato da policial militar ter sido impedida de realizar a prova por estar fardada e armada!!! Não cabe a faculdade avaliar se ela está de serviço ou não! O policial militar, não raras vezes, extrapola o seu horário de trabalho, não recebe hora extra! O Oficial (coordenador do turno, gerência o efetivo) que é quem tem competência para dispensar a militar e verificar se ela pode ou não se ausentar para realização de uma prova…. e depois adequar uma compensação.. pagar o tempo que ficou ausente! Já ocorreram situações preconceituosas e ignorantes como está em outras faculdades e após o justo acionamento judicial…. uma boa indenização por danos morais e ainda determinou que a faculdade criasse normas autorizando o acesso de policiais fardados e armados no educandário!

    • Cara , deixe de ser ignorante, quando isso acontece, a policial repõe seu serviço no dia de folga. Se vc não sabe, existe uma lei em que se um aluno que trabalha tiver uma prova num horário de trabalho , ele tem direito a prestar a prova se ausentando do serviço, essa lei serve pra todo mundo, mas tem gente tão ignorante que faz um comentário como o seu, sem o mínimo conhecimento de leis.

    • Meros servidores militares estaduais?

      Esses “meros servidores”, senhor Túlio, são a última barreira entre a já esgarçada segurança da sociedade e a barbárie total.

      Por seu comentário, belamente elaborado, percebe-se sua condescendência com a generalizada ojeriza contra esses cidadãos fardados que garantem a SUA LIBERDADE de ir e vir e que, se não está sendo garantida a contento, é por negligência de legisladores e governantes.

      Lamentável sua observação, que segue o modismo de inversão de valores predominante em nossos dias.

    • O direito a estudos e uma prerogativa prevista em lei, qualquer policial pode ser liberado para fins de instrução, não e concessão e direito…inclusive a 10 dias de dispensa de suas funções para preparo e apresentação de monografias….. se informar e bom p não falar besteiras

    • Deixa de ser imbecil cara!!! O oficial do dia tem plenos poderes de liberar ou não quaisquer subordinados ao seu comando, ou o dr acha que seria o Governador que deveria autorizar folgas,escalas de serviço ou a dispensa por motivos comprovadamente importante!!! Tá precisando pesquisar um pouquinho mais antes de abrir a boca pra falar asneiras!!!

    • Engano seu, a lei específica que autoriza e obriga o administrador a liberar o policial para prestar prova em universidade, se atualize antes de falar besteira.

    • Quem devereria ser preso é essa pessoa que respondeu dessa forma e que é primeiro covarde a gritar por socorro pra policia salvar qdo estiver em perigo e vem dar uma de intelectual do direito civil e militar.

    • Só lembrando Túlio que o policial militar não ganha horas extras e com frequência tem que passar do horário de largar o plantão…

    • Concordo com você, Túlio. É por isso que o Brasil é conhecido como país do jeitinho. Há uma clara confusão no entendimento de quem é quem nesse jogo de discurso. Naquele momento a policial era estudante e deveria agir como tal obedecendo as regras da instituição, se queria ser entendida como estudante deveria pedir licença no serviço e jamais portar arma naquele ambiente de trabalho a menos que em diligência. Se fosse um médico que se aumentasse de uma cirurgia para fazer uma avaliação qualquer (atividade pessoal) todos estariam contrários, pois a obrigação dele é salvar vidas como é a dos policiais além de garantir a LEI e a ORDEM, essa que acham que podem romper porque estão de posse de uma farda e uma arma.

      • Se é Policial, pode adentrar em qualquer local armada, só não pode é em locais de diversões públicas e incompatíveis com a função! E quanto a proibir de entrar por que ela está no horário de trabalho, quem é ela(professora) pra dizer que pode ou não pode? Se eu estudasse Direito nesta faculdade, pediria transferência! Por que um péssimo ensino destes, de uma professora que não conhece a Lei, “tá loko”!

      • Emerson; deixa de ser escravocrata; sua escória da humanidade, seu canalha. Ela tinha licença sim e foi concedida pelo oficial, e ela poderia muito bem repor isso depois seu escravocratazinho mimado. E os professores vivem pedindo licença.

    • Não me venha com esses argumentos de falso intelectual, com essa sua suposta inteligência lida e decorada, para defender quem faz merda na sociedade , por ter lido merda escritas por vermes com Che Guevara, entre outros , guarde para você seus argumentos terceirizados e a favor de bandidos ou de quem discrimina a segurança pública do nosso país..

    • Kkkkkk o Sr quer o prêmio de comentário mais ridículo kkk pronto o Sr ganhou se eu fosse o Sr apagaria, não sou o Sr mas sinto vergonha pelo o seu comentário, vai se instruir antes de falar merda meu querido!

    • Deixa de falar merda. Já ouviu falar em Regime especial de trabalho? Essa hora que ela ficou fora será paga. Para de defender o errado. Vc é o típico idiota que mesmo errado se acha certo.

    • Meu amigo deixe de ser burro e vai estudar… Em todas as esferas públicas o chefe imediato(no caso o aficial do dia) tem poder administrativo pra essas coisas…

    • Nada mais me surpreende nesse país pós passagem do rolo compressor comunista sobre a educação.
      Transformaram o Brasil num circo de horrores onde impera a permissividade e a promiscuidade dentro das escolas.
      Vê-se cenas de sexo explicito entre alunos, dentro de sala de aulas, com a complacência dos professores
      Professores permitem e até aplaudem alunos despidos dentro da sala de aula.
      Nos pátios externos, fora das salas de aulas, então, o tom correto do comportamento é promiscuidade.
      No presente caso, uma policial não poude entrar em sala por estar com Uniforme militar.
      ” Até quando Catilina abusaras de nossa paciência”.

    • Típico caso de preconceito que deve ser combatido e repudiado, a policial militar foi constrangida o que de fato enseja em indenização por dano moral, sem prejuízo das sanções penais do art. 6° da lei 7.716/89 que trata dos crimes resultantes de preconceito, pena de reclusão de 3 a 5 anos. Lamentável a postura de uma pessoa que possui o cargo de ensinar…e pelo visto desconhece as leis que regem o país. Tomara que cumpra pena e pague uma grande quantia indenizatória para que não seja reincidente em tal prática.
      Obs: estude mais!

    • Que comentário preconceituoso! Quem deveria obedecer a moralidade no trato ao dinheiro público, como você mesmo os citou, são os que mais nos causa repúdio. Nossos políticos, principalmente, sequer cumprem com horário de “trabalho” e assim como os magistrados ganham salários e extras surreais para prestarem um serviço de péssima qualidade. Afinal, esses “meros servidores estaduais” batem de frente todos os dias com esses sistema esquerdista falido, que prende o PM e solta o bandido.
      Aprenda a respeitar o ser humano, independente do cargo que exerce.

    • O militar tem sim o direito de sair para estudar estando devidamente autorizado pelo comando, sem o prejuízo do serviço a que estiver praticando, então não fale besteiras sem ter conhecimento.

    • Esse tal de ENTÚLIO com com o sua porca explicação não cita uma alínea que embase suas afirmações. Tentou mal e porcamente inverter os papéis na situação na qual a pseudoprofessora foi preconceituosa, autoritária e arbitrária. O argumento dele é bem característico da ESQUERDOPATIA que infectou muitos brasileiros, pois baseia-se, via de regra, em falsas premissas. Sofista decadente, um legítimo demente.

    • Voce foi totalmente infeliz na sua colocaçao, existe sim! No estatuto do funcionario publico, onde, se o mesmo estiver em semana de prova ele podera ser liberado para realizar as provas.

    • “Mero servidores “,revoltante essa frase afinal eles arriscam a vida por uma sociedade desumana, violenta, que só valoriza os vagabundos, aí uma policial tem uma prova é liberada pelo seu superior e ela tá errado?ah fala sério aí é sacanagem ah e cadê o direito de todos de estudar?affs revoltada com a humanidade 😢

    • porque não fala isso para os ministros safados do STF que recebem esses mesmos dinheiros dos nossos impostos e só soltam bandidos, me poupe desse discursinho ridículo de esquerdista. VTNSC.

    • O problema é com a farda que a policial estava usando. Comunista caviar não tolera enxergar um uniforme militar. O meu melhor diretor e professor de direito na Universidade Est. de Montes Claros foi exatamente um Coronel da PMMG!

    • Qualquer… Qualquer trabalhador, seja na iniciativa privada ou funcionário público, tem o direito de se ausentar do trabalho. E pelo que se pode inteligentemente notar, foi que a policial, optou por ausentar-se por um período, e não FALTAR ao trabalho. Coisa que a maioria esmagadora dos vagabundos públicos costumam fazer, sem a menor justificativa.

    • Irmão, se vários órgãos públicos tem a prerrogativa de liberar seus funcionários para estudar mesmo no horário do expediente, porquê o policial militar não pode ter? Você está muito equivocado

    • Eu penso é na ignorância das pessoas, que não sabem das Leis e opinam sem conhecimento! Sr. Túlio, volte pro MOBRAL e depois discutiremos sobre os embasamentos legais!

    • Túlio, você é bem leigo nesse assunto né? Antes de falar merda deveria se informar antes. Oficial de dia, isso ja diz tudo seu jumen….

    • E vc é um retardado q quer fala bonito ,mas não passa de um esquerdista maldito , a polícia militar merece respeito , e antes de ser um PM ela é um ser humano , com sonhos ,e quanto ao dinheiro q e pago aos PMs e o único dinheiro q e bem gasto no Brasil , pq o resto é roubado por por políticos vagabundos , #somostodospms …

    • Falou besteira, como o referido estudo agrega valor ao trabalho, existe um horário de estudante que pode sair mais cedo, mas para não parecer folgados, eles apenas usam quando tem provas, trabalhos conteúdos indispensáveis

    • Não vou nem perde tempo, quanto ao fato de estar em horário de serviço, mas notasse tua estupidez no final do comentário, entre o comparativo dos magistrados e dirigentes políticos e meros servidores, mero deve ser tu, tu deve ser um mero puxa saco de dirigente político. Retardado !

  3. Comunismo é isso, caso ela estive com um crucifixo enfiado ânus ou defecando na foto de um politico de direita estaria tudo certo, bando de asquerosos esses esquerdistas intolerantes

  4. Tem que acabar com universidade gratuita, assim o dinheiro empregado sobraria para ter segurança e saúde digna, educação gratuita até o ensino médio.

    • Todo funcionário Pública pode ser dispensado pelo seu chefe direto, para efetuar prova matricula escolar acompanhar familiar doente, retornando ou não ao serviço.Para esclarecimento do comentário infeliz que uma pessoa fez ok.E lei, pode até sair mais cedo para ir acompanhar aula em escola, e tem ainda preferência de escala, antes de querer denegrir procure saber ok.A situação que se passou e o comentário de dar dó, e mostra o despreparo das pessoas.

  5. Se chegasse um esquerdopata maconheiro com um gorro com a foto do genocida Che Guevara e uma camisa estampada com folhas da erva do diabo certamente poderia fazer a prova sem problemas.

      • Reygi, e os alunos que sofrem abusos mentais? E os autointitulados professores que oprimem alunos com doutrinação? Você tem estatística e estudo comprovando que muitos desses apanham de policiais? Mas não vale estudos com vários embustes.

  6. Professora desprovida de inteligencia, ate o tolo qd se cala é tido por sábio, um pequeno fogo encendia um grande bosque, causou um incêndio desnecessário.

  7. Para os idiotas de plantão, pelo menos no meu estado existe uma lei que obriga a corporação, o estado, a proporcionar condições para que o policial, ou funcionário público, exerça seu direito a formação escolar.
    De mais a mais; Quem é essa professora pra questionar a autoridade do comandante que a liberou apenas para fazer a respectiva prova.

  8. Sinceramente, não consigo enxergar nem traços de ódio ou preconceito na ação da professora. Ora, se a policial estava de serviço, deveria estar cumprindo o seu dever profissional, ou seja, trabalhando!

    • Ronaldo, deixa de teatrinho seu canalha escravocrata. Você não enxerga traços de ódio ou preconceito por que talvez você seja de extrema esquerda. Para a extrema esquerda ódio significa desmascarar e discordar do outro. E o comandante liberou ela seu animal. Os superiores podem liberar nesses casos. Isso vale para todos os funcionários públicos, e os professores também vez ou outra são liberados. Ela vai repor depois. Esse ronaldo não passa de um sem vergonha defensor de escravidão.

    • E esse “sinceramente” e o “ora” é puro teatrinho de canalha que apoia escravocratas. E o “não consigo” não passa de falácia da credulidade pessoal.

  9. Na matéria foi falado que a policial tem direitos iguais. Então se é isso, a professora agiu certo, pois se eu fosse lá para fazer a prova portando arma, a professora tinha todo o direito de não deixar me entrar

    • O PORTE DE ARMA É FEDERAL, IRRESTRITO E INERENTE À FUNÇÃO POLICIAL, EXISTE LEGISLAÇÃO PRA ISSO…A ARMA DO POLICIAL É FERRAMENTA DE TRABALHO, NÃO EXISTE LEGISLAÇÃO QUE O IMPEÇA DE PORTÁ-LA INCLUSIVE EM AMBIENTE ESCOLAR OU OUTRAS INSTITUIÇÕES QUAISQUER, O POLICIAL INCLUSIVE PODE PORTAR A ARMA À MOSTRA, PRESA À UM COUDRE POR EXEMPLO. TEMOS QUE PARAR COM A HIPOCRISIA, PESSOAS LOUCAS E PSICOPATAS EXISTEM NO MUNDO TODO E ELAS NÃO PRECISAM DE PORTE DE ARMA PARA COMETER CRIMES. A ARMA QUE VOCÊ CRÍTICA É A MESMA QUE PODE TE SALVAR… FICA À DICA!!!!

    • Vc tem porte de arma ?! Se trabalha, no seu trabalho é permitido o uso de uma arma ?! Se não, cala a boca pois está defecando pelo teclado.

  10. A questão não é ser a favor ou contra a formação do policial. Qualquer um deve, sim, procurar o que é melhor para si. A polícia não está acima da lei, se a policial recebeu autorização para fazer a prova deveria adentrar na instituição de ensino como estudante é não como policial. As armas dos estudantes são livros, lápis, canetas e cadernos e nunca arma de fogo. Quantos crimes já foram cometidos por civís que adentram salas de aula armados? Se a professora ou qualquer instituição começar a permitir que policiais armados adentrem as instituições de ensino para atividades particulares, deverão permitir que todos os que possuam porte de arma tenham o direito de pedir o mesmo ou alegarão ter sido discriminados. Deixemos de ser medíocres, a professora agil com responsabilidade e a autoridade que lhe cabe dentro da sala de aula, quem pensa o contrário, e respeito, deve achar que os militares (como os políticos tem certeza) estão acima da lei.

    • Penso que ela tem o direito de fazer a prova mas não armada, o direito tem que ser pra tds não se pode entrar com celular, mas com arma pode? Tds somos cidadãos comuns. Como cidadã poderia ir à paisana

    • Que ignorância! Os policiais gozam de prerrogativas e uma delas é o seu porte de arma, pois são responsáveis pela segurança pública mesmo estando de folga. O tempo que ela ia usar pra realizar a prova, certamente foi avaliado pelo oficial que não iria prejudicar o serviço e o oficial é competente pra avaliar isso sim. A policial armada é competente e responsável por seus e a professora não foi infeliz na sua conduta.

    • Emerson . . . . para
      Procure se informar . . . .
      É notório que vc teceu seu comentário sem nenhum conhecimento sobre instituições militares. Leia sobre, é um assunto muito o interessante. Já sobre a instituição de ensino . . . . Lamentável.

      • A questão é: para fazer a avaliação ela estava como estudante é não como policial, portanto deveria se portar como ESTUDANTE. Aceito a sua forma de pensar, entendo o seu ponto de vista, não sou e não pretendo ser o dono da verdade, mas compreendo que uma sociedade se faz quando se dá o direito ao contraditório. Lhe respeito e gostaria de receber o mesmo respeito. Acredito que vivamos em um país democrático aonde todos têm o direito de se expressar, do contrário é ditadura e nós sabemos quem tem saudades dela.

    • Leia as Leis primeiro! O local não é de diversões públicas, é compatível com a função policial, então o que proíbe a policial de entrar armada na sala de aula? Não é qualquer pessoa, ela é POLICIAL! Tu tens problemas, vai se tratar e depois conversamos! Ou melhor, volte pro MOBRAL, pois lá sim todos tinham ensino verdadeiro! Se não conhece as Leis, não escreva asneiras!

  11. Que coisa ridícula! Enquanto bandidos deitam e rolam no nosso país, um bando de policiais se dão ao caso de ficar ofendendo uma professora, chamando-a de covarde, amedrontando-a com suas presenças, por causa de uma prova. É lamentável a valorização da mídia inescrupulosa. Sobrando arrogância e faltando Deus nas nossas vidas. INFELIZMENTE.

    • “Que coisa ridícula!”

      Deixa de teatro. Agora se preocupa com bandidagem? A professora foi covarde sim, e foi últramegahipercovarde.Deixa de cliches canalhas sua mentirosa.

      “amedrontando-a com suas presenças”

      Você disse que a simples presença de alguém amedronta? Agora está explicado o porque daquilo na UFPE sobre o documentário Jardim das aflições e sobre os terroristas da extrema esquerda tentarem impedir palestras de pessoas que refutem a extrema esquerda. Afinal só sabem repetir como papagaio com disco arranhado que o oponente tem ódio sendo que não tem. Amam cuspir nas vítimas de ódio ao alegar que simplesmente discordar ou desmascarar significa ódio.

      “Sobrando arrogância e faltando Deus nas nossas vidas. INFELIZMENTE.”

      deixa de mimimimimimimi, arrogante é você que disse isso abaixo sua canalha.

      “amedrontando-a com suas presenças”

  12. Kkkkkk só rindo mesmo quanta ignorância desse povo, se o Comante dela autorizou a fazer prova ela está autorizada e pronto, existe um regulamento da PM e ela está dentro do Regulamento não há o que se falar, a professora que a proibiu não é Cmt dela e se fosse eu faria a prova, queria ver ela me colocar para fora. Não houve desacato ai houve sim uma falta de respeito com a profissional. Mas cabe uma ação de danos morais afinal a policial poderia ter passado e foi prejudicada. Quanto ao Sr que diz pagar impostos rs todos pagam inclusive os policiais se o Sr se acha o chefe dela aumente o salário rs está reclamando do quê?

  13. Primeiro: A professora deveria ter chamado a aluna pra conversar em particular sem expô-la.
    Segundo: A policial não deveria ter deixado seu posto para fazer a prova. Pra isso existe segunda chamada.
    Terceiro: Não se pode entrar armado em sala de aula.
    Quarto: Muito bafafá pra um fato tão insignificante.

    Pior pras duas: aluna e professora!

  14. Este mundo tá virado ao avesso! Sou professor e achei absurda a postura da colega! Penso que se chega uma copeira devidamente trajada, também estaria proibida de fazer a prova neste. A policial estava em serviço. Seria complicado ela estar com outro traje que não a farda em horário de trabalho. A caserna nãi perdoa! Faltou tato a professora e a universidade em ampluarvo dialogo. Enfim, a celeuma deve cair no colo da justiça!

    • “Este mundo tá virado ao avesso! ”

      Começou o teatro do ator.

      “Sou professor e achei absurda a postura da colega! ”

      Falácia da credulidade pessoal não é argumento

      “Penso que se chega uma copeira devidamente trajada, também estaria proibida de fazer a prova neste. ”

      Falácia da credulidade pessoal não é argumento.

      “A policial estava em serviço. ”

      Ela tinha sido liberada pelo comandante. Isso vale para todos os funcionários públicos e os professores também fazem isso.

      “Seria complicado ela estar com outro traje que não a farda em horário de trabalho.”

      mimimimimimimim só mais falácia da credulidade pessoal.

      “A caserna nãi perdoa! ”

      Mais teatro.

  15. ocorrencia policial termina na delegacia e esse professor nao pode interferir no trabalho da policia era todos para delegacia professora aluna e esse falador

  16. Típico caso de preconceito que deve ser combatido e repudiado, a policial militar foi constrangida o que de fato enseja em indenização por dano moral, sem prejuízo das sanções penais do art. 6° da lei 7.716/89 que trata dos crimes resultantes de preconceito, pena de reclusão de 3 a 5 anos. Lamentável a postura de uma pessoa que possui o cargo de ensinar…e pelo visto desconhece as leis que regem o país. Tomara que cumpra pena e pague uma grande quantia indenizatória para que não seja reincidente em tal prática.

  17. Kkkk, é trauma da Professora que já levou tanto gás pimenta e bala de borracha na cara e porretada de cassetete no lombo por parte PM que na verdade deu medo de ver a aluno parlamentada para a guerra dentro de uma faculdade, onde os acadêmicos levam somente cadernos , livros e canetas, kkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  18. Sr Túlio fico triste em observar que embora nosso país esteja travando uma guerra contra o preconceito e a intolerância ainda existe pessoas como o sr , que além de ser preconceituoso não tem conhecimento algum de direito administrativo , se me permitir aconselho que antes de fazer qualquer comentário estude um pouco. Vale salientar que esses meros servidores como o sr se referiu são os mesmos que abaixo de Deus protegem sua vida por assim dizer .Tenho certeza que durante a greve desses meros servidores o sr ficou em casa com o rabo entre as pernas pois não tinha nas ruas meros servidores para protegelo . Deixe de ser hipócrita.

  19. Tenho muitos amigos e familiares na polícia, mas concordo com a professora. E aproveito para esclarecer que essa questão já ocorreu antes em outras universidades inclusive envolvendo processo judicial, mas a justiça deu ganho de causa a professora e a universidade, entendendo que o ambiente acadêmico é um ambiente onde não se deve ter pessoas portando armas, na condição de alunos!

    • Hein? Qual juiz, em plenas condições mentais deu ganho de causa a um professor ou faculdade? Vossa Senhoria viajou na “maionese”, pois um policial não pode portar arma em locais de diversões públicas e incompatíveis com a função! Leia sobre Leis, visto que acabou de vomitar palavras idiotas, por não ter conhecimento!

    • Somente em locais de diversões públicas e incompatíveis com a função policial que os policiais não podem portar armas! Leia sobre porte de armas, depois conversamos, senão você continuará passando fiasco na internet! E quantas pessoas essa policial prendeu? Ela lembra da fisionomia de todos? Como ela vai se defender em caso de alguém lembrar que ela foi que fez aquela prisão dele, anos atrás? Os Direitos Dos Manos estarão dando segurança pra ela? Que comentário idiota esse seu! E estando fardada ela pode fazer a prova? e se precisar fazer uma prisão? ela puxa um lenço branco e diz “TEJE” preso? Não comente algo que voc~e não tem conhecimento!

  20. Quem é este advogado na vida que está impondo ordem aos militares. Kk acabou a lei mesmo. Quem ele pensa que é pra dar ordem aos militares. Os militares tinham que ter prendido este ze o professora encaminhados para delegacia. Constrangimento desrespeito e desobediência a partir proibiu a Militar entrar sala de aula isso tb caracteriza racismo. Ela foi impedida pelo fato de estar fardada.

    • O mais um ator de teatro. Oras, a globo quase sempre apoia a extrema esquerda. As suas referencias teóricas deve ser um gigolô marx que nasceu em berço de ouro e que trai a mulher com a empregada e faz filho nela e não assume e é sustentado pelo amigo burguês engels. As tudas deve ser o canalha do lenin e do stalin. Deve ser o fuzilador che guevara.

  21. A esquerda está há muito tempo nas escolas e universidades exaltando bandidos. Apoio a policial e gostaria de ver essa professora responder na justiça.

  22. Sou professor e me imaginei nessa situação. Não sei como reagiria de fato, mas não vejo como algo aceitável um policial fazer uma prova fardado e armado. Não por ser um policial. Eu também não veria com naturalidade um pescador querer fazer a prova com um arpão, ou um pedreiro com uma enxada, ou qualquer coisa fora do comum. Pois essa situação teria efeito negativo nos demais alunos e causaria prejuízo para todos. Como professor, me deparo com outras situações cotidianas semelhantes, em que uma pessoa alega estar sendo prejudicada simplesmente por ser impedida de causar problema aos demais envolvidos. É a ideologia do favorecimento individual em detrimento do bem coletivo. Por isso vivemos em um país onde cada um se preocupa com seus próprios interesses, favorecendo a desordem e injustiça.

    • Eu como professor não veria problema algum desta aluna fazer a prova ou ate mesmo assistir aula fardada, mas armada isso não seria permitido. E levo o comentário acima, um pescador com redes e arpão, um pedreiro com pá e enxada na sala de aula não seria adequando tanto quanto uma arma.

      • o que um policial faz? Quantas pessoas ele já prendeu? ele lembra de todos? e um desses que ele prendeu, não quer fazer algo ao policial? qual a missão de um policial?qual o seu instrumento de trabalho? O Sr já viu um policial trabalhar sem arma? Ela estava em serviço ainda! E também pode portar a arma em qualquer lugar, desde que não seja de diversões públicas ou incompatível com a função! Leia sobre Leis!

  23. Saudade dos tempos em que as pessoas se respeitavam. Não era necessárias tantas leis, Normas e regras de conduta. A aluna fazendo um esforço para obter autorização de sair do plantão para ir estudar. A professora, a quem se espera o maior exemplo de educação, assume uma posição arrogante e preconceituosa. Será que era uma questão ideológica, inveja ou se sentiu ameaçada pelo brilho da aluna estar mais em evidência do que a teacher !?

  24. Engraçado, ninguém reclama que não pode fazer as provas de concursos e do Enem, armado. Pode fazer fardado, mas portando arma, não. A professora, em sala de aula é a autoridade e deve ser respeitada. Da mesma forma que se agir com abuso, deve prestar esclarecimentos.
    Acredito que quando (dizem que) a professora afirma haver a possibilidade de realização da prova em outro momento (pra isso existe segunda chamada) não estava sendo preconceituosa.
    Porém, deve-se observar que situações assim são fáceis de resolver. No entanto, “tudo” é motivo de processo.
    Como já foi citado, havia várias soluções para isso: 2ª chamada, não adentrar na sala armada, não ir fardada, etc..
    À época da graduação tive vários colegas policiais: civis, militares e rodoviários (estaduais e federais). Não lembro de em momento algum adentrarem em sala portando armas, embora tivessem direito ao porte e estarem em serviço em diversas provas. Outras vezes informação ao professor da escala e acertavam “ali mesmo” sem maiores problemas.

    • E quando que um policial anda fardado e sem arma? Quanta ignorância! e de que serve um policial sem arma, mas fardado? Pois ela solicitou uma hora do seu serviço, para fazer a prova! Mesmo que devolva outro dia essa hora! e algum médico? fazendo outra faculdade, sai do seu consultório, todo de BRANCO, será que irão pensar que é um médico ou um Pai de Santo? E por que não pode usar a farda, que é a vestimenta de serviço?

  25. Dá vontade de rir… Se está trabalhando, tem que cumprir sua função nas ruas, no quartel ou seja lá onde for necessário. Denuncie a professora e esta pode denunciar a policial por estar fazendo atividade particular em seu horário de trabalho. Desacato é ser paga pra trabalhar e usar esse tempo em benefício próprio.

  26. Poxa, então pelo pensamento de alguns aqui o militar das Forças Armadas não poderiam em hipótese alguma estudar, pois estão a disposição da sua força 24h, estando de efetivo serviço ou não. Bom, sou militar da Marinha e fiz duas faculdades e um MBA, em algumas situações tive que ir fardado e na época com um equipamento de chamada de emergência (hoje se usa o celular) para voltar para a organização militar no momento que fosse chamado. Nunca fui impedido de estudar e nunca fui questionado se estava de efetivo serviço ou não.

  27. Meu Deus, quantos comentários tolos!!! Gente, a questão é que ainda passa por questões jurídicas um policial entrar armado ou não em universidades para realizar exames ou avaliações

  28. O que isto tem a ver com “esquerda” ou “direita”? Peli que eu pepercebo, essa “matéria” é que incita o ódio contra alguém que pensa diferente.

Deixe uma resposta