Cuidado, Eunício. Ele disse: “esse povo não é da política, é da rede social”

Créditos para foto: FÁTIMA MEIRA/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

Tal como se lê na Revista Fórum, conforme reportagem de Severino Motta publicada no BuzzFeed, na véspera do Senado aprovar o reajuste da cúpula do Judiciário, o futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, teve uma conversa em tom ríspido com o presidente do Congresso, Eunício Oliveira (MDB-CE), numa sala do Senado, na última terça (6).

“Esse povo que vem aí não é da política, é da rede social”, disse Eunício ao jornalista ao falar como foi o papo, testemunhado pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) e pelo senador Fernando Bezerra (MDB-PE).

“Então eu vi a Raquel Dodge lá na frente e saí para conversar com ela e ele seguiu conversando com o Fernando Bezerra (MDB-PE), que saiu de lá horrorizado”, afirmou.

Bem, se eles estão horrorizados, isso é mal sinal para eles próprios, pois indica falta de preparo. A nova linguagem das redes sociais é divertida, incisiva e contundente, mas também tem um componente que não pode ser refreado: a capacidade de intimidação.

Isso acontece porque na rede social existe a difusão de responsabilidade – um dos sete componentes do desengajamento moral -, que permite que alguém faça algo que não faria se estivesse sozinho. Em conjunto com outros tantos, alguém se sente habilitado a fazer o que quiser.

Desta feita, boa parte das negociações serão feitas com “pé no peito”, vindo das redes sociais. E não seria diferente se o PT tivesse vencido as eleições. O uso das redes sociais para constranger opositores é uma forma de fazer política, o que irá gerar um ambiente no mínimo caótico e fascinante a partir de 2019. Quem não aprender a lidar com isso, vai rodar.

Se Eunício está desanimado com o resultado das eleições que perdeu neste ano, que se prepare para ficar ainda mais desanimado. Bem, a negação da realidade é apenas o primeiro dos estágios do luto. No caso, o luto político.

1 comentário em Cuidado, Eunício. Ele disse: “esse povo não é da política, é da rede social”

  1. Esse povo da esquerda não acredita que o povo brasileiro despertou e que exige respeito pela sua soberania e decisões. Perdeu, Eunício. Vc já era!

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: