Anúncios

Boa parte da direita perde: Escola sem Partido é arquivado na Câmara

O presidente da comissão especial da Câmara dos Deputados que discute o projeto conhecido como Escola Sem Partido, deputado Marcos Rogério (DEM-RO), encerrou nesta terça (11)os trabalhos do colegiado sem que fosse votado o parecer do relator.

Com não haverá mais debates neste ano sobre o assunto, o tema só poderá ser retomado na próxima legislatura. O deputado Marcos Rogério encerrou os trabalhos da comissão depois de 12 sessões sem resultado e seguidas tentativas de votação do relatório do deputado Flavinho (PSC-SP).

“Quem está sepultando o projeto nesta legislatura, não é a oposição. Quem não está deliberando é quem tem maioria neste parlamento que não comparece”, afirmou Marcos Rogério.

O projeto visava permitir que os alunos soubessem de seus direitos garantidos constitucionalmente.

Pelo regimento da Câmara, o autor do projeto ou de qualquer outro que tramita em conjunto pode apresentar requerimento para desarquivá-lo. Mas para isso, a tramitação terá que começar do zero, com a criação de uma nova comissão.

A extrema-esquerda está comemorando efusivamente a derrota do projeto. Embora divididos, setores do neoconservadorismo brasileiro – nem todos, é claro – também estão comemorando a derrota do projeto, visto que sua aprovação resultaria no reconhecimento da importância política do Escola sem Partido como parte dos esforços pela conquista da opinião política na rejeição ao esquerdismo extremo e aumento da motivação para o povo eleger Bolsonaro. 

Também existem setores ligados ao liberalismo (não todos, é claro) que se opuseram ao projeto, mas não é possível identificar uma estratégia clara e coesa nesse sentido.

Twitter: https://twitter.com/lucianoayan

Facebook: https://www.facebook.com/ceticismopoliticosc/

Anúncios

5 comentários em Boa parte da direita perde: Escola sem Partido é arquivado na Câmara

  1. Os setores de direita que não querem aprovar o ESP tem um unico objetivo, mudar a doutrinação de lado.
    Para eles é melhor continuar a doutrinação, agora que eles tem o poder da ‘canetada’.

  2. O ESP já ganhou. Não importa o resultado. Ser aprovado é mera consumação…

    O objetivo do projeto era mostrar aos alunos que eles tem direito de escolha, de não aceitarem ser doutrinados. E hoje, graças ao Efeito Barbara Streissand, eles já sabem.

    O projeto já foi aprovado consuetudinariamente!

    O resto é esperneio e mimimi.

    Ponto pro ESP que soube jogar o jogo muito bem!

  3. Com o Capitão Jair Bolsonaro na Presidência essa realidade vai mudar.
    As escolas são a pior coisa que existe no Brasil. Todas.
    Todos os professores do Brasil são esquerdistas.

    Precisamos de uma fiscalização rígida sobre o que é falado na sala de aula e o Capitão Bolsonaro como Presidente vai impor isso queiram ou não.

    Espero que o Capitão Bolsonaro torne, como prometido em campanha, o ensino à distância como uma norma no Brasil, desde crianças.

    Isso será o fim da mamata dos professores do Brasil, que são um bando de vagabundos nojentos.

  4. O controle ideológico é, na verdade, um dispositivo tipico de governos autoritários e antidemocraticos, por mais que seus defensores neguem. A ESP, sob a justicativa, de “proteger” crianças e jovens – o que é absolutamente questionável – na verdade, quer criar condições de intimidação institucionalizada. No projeto de lei da ESP não há qualquer explicação sobre o que é ideologia e sobre a diferença entre ideologia, teoria, ciência e doutrina. Alem disso a proposta é inconstitucional. Portanto, mesmo se fosse aprovada, ela poderia ser barrada no STF. Portanto, a priori, ela está fadada ao fracasso.

    • Que comentário ridículo!
      Nós precisamos proteger nossas crianças de PROFESSORES, pois professores estão acabando com elas, ensinando para as crianças a serem viados, ensinando meninas a serem vadias, ensinando marxismo, doutrinando até dizer chega!
      Os professores no Brasil são uma praga!
      Não podemos deixar esses seres abjetos perto de nossas crianças.
      A proposta do Capitão Jair Bolsonaro é melhor ainda que a do ESP: vamos colocar as crianças para terem educação à distância, com acompanhamento do papai e da mamãe, e não com professores. O conteúdo que será ensinado será aprovado pelo próprio Capitão, que vai educar as crianças com VALORES e não com viadagem. Os valores da família e da religião é que serão ensinados no novo tempo.
      É bom jair se acostumando e mandando todos os professores do Brasil, marxistas infernais, procurarem outra coisa pra fazer ou se mudarem pra Cuba…

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: