Anúncios

PSL está rachado em SC e a liderança ainda não entendeu o jogo

Em Santa Catarina, está acontecendo o óbvio.

Lucas Esmeraldino, que quase foi eleito senador pelo PSL, está sendo contestado por três deputados federais eleitos no estado por seu partido: Caroline de Toni, Daniel Freitas e Coronel Armando. Os três divulgaram uma nota defendendo a destituição da executiva provisória do diretório estadual.

O detalhe é que Lucas Esmeraldino é um moderado, enquanto Caroline de Toni representa uma ala extremista, de tom neoconservador.

A sorte de Esmeraldino é que o Brasil ainda é uma democracia.

No dia 7 de abril, em Ruanda, a primeira ministra moderada Agathe foi assassinada por extremistas hutus. O radical era o General Bagosora, que tomou o poder, sentindo que Agathe nem entendia até onde ele podia chegar. Eram os primeiros movimentos que culminaram no genocídio de 800.000 tutsis e alguns hutus moderados.

Claro que não falamos de violência física aqui, mas só será possível que os setores mais moderados não sejam esmagados diariamente o dia em que entenderem a incapacidade de coexistência que os setores mais ideológicos nutrem. A lógica da ação política mostra que Esmeraldino está provavelmente em maus lençóis.

É como acontece com as crianças: se eles nunca encontraram limites em sua ação, então entendem que podem fazer o que quiser.

No Brasil, já vivenciamos um esmagamento das vozes liberais e conservadoras, restando apenas a voz neoconservadora, que, em vários casos, não admite coexistir com as outras.

Isto que está acontecendo em Santa Catarina é apenas o começo. Que sirva como aprendizado.

Outros confrontos de extrema intensidade devem ocorrer não apenas dentro do PSL, como também na investida de extremistas do PSL dentro do NOVO.

Vamos assistir.

Atualização em 14/01 às 16:06: Já recebi reclamações de que eu estaria comparando pessoas a genocidas. Não, pois quem não for analfabeto funcional compreenderá que deixei bem clara no texto a expressão “claro que não falamos de violência física aqui”. Porém, os exemplo das eras mais bárbaras são mais claros para exemplificarmos como funciona a correlação de forças, e como existem consequências para a indisposição de moderados em enfrentarem os extremistas. Não vejo que possa descambar em violência no Brasil, ao menos tão cedo. Mas é preciso começar levantar o tom contra quem levanta o tom.

Twitter: https://twitter.com/lucianoayan

Facebook: https://www.facebook.com/ceticismopoliticosc/

Anúncios

1 comentário em PSL está rachado em SC e a liderança ainda não entendeu o jogo

  1. “Neoconservadores” pra essa turma é elogio. O certo é direita xucra mesmo – ou direita tarja preta, direita Caps Lock ou direita talibã. Abraços,

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: