Anúncios

Qual deveria ser a atitude de um líder sério no caso Bebianno?

O caos gerado pela divulgação de um áudio envolvendo Jair Bolsonaro e Gustavo Bebianno – pelo filho do primeiro, Carlos Bolsonaro, e num áudio que nada tinha demais – terá consequências para todos os envolvidos. Todos eles, incluindo Carlos Bolsonaro, como também o presidente e seu ministro, saem com a imagem arranhada.

Carlos será visto como desequilibrado e perigoso gerador de instabilidade, além de espião dos aliados do pai (coisa digna de países como Iraque dos tempos de Sadam Hussein). Jair Bolsonaro será visto como um líder incompetente que se deixa manietar por um filho que joga na linha Night Rider, sempre à espera de que um Mad Max surja para fazê-lo parar (mas isso nem sempre acontece). Bebianno será visto com desconfiança por tantos outros, e, mesmo que permaneça no governo, ficará sob um clima péssimo. Se sair, também não será nada bom para os envolvidos.

Relembremos o “estilão Night Rider”:

Quer dizer: Carlos Bolsonaro conseguiu gerar o caos que queria, mas talvez tenha ido longe demais.

Mas o que deveria ter sido a atitude de um líder sério neste caso? Podemos apresentar uma hipótese.

Considere que Bebianno teria enviado mensagens para Bolsonaro para falar de vários assuntos. Ao comentar sobre possível crise – devido ao caso das laranjas no PSL, o que ainda está meio vago -, disse que já havia falado com o presidente e que não havia “crise” entre ele e o presidente. Como Jair estava saindo do hospital, bastaria avaliar se a afirmação de Bebianno teve algum eco e buscar uma conversa com o ministro, a sério. Estando limpo – e parece que Jair não tem culpa no cartório neste caso -, ele iria ter uma conversa séria com Bebianno. À mídia, Bolsonaro poderia dizer que comentou com Bebianno sobre diversos assuntos e que não topou falar da questão do laranjal, pois entende que isso cabe à investigação policial. Também diria que Bebianno ouviu dele que, se for considerado culpado, perderá o cargo, mas, até lá, terá o tempo para provar sua inocência.

Essa é apenas uma das possíveis respostas adultas ao caso Bebianno, que não traria nenhum dano à imagem do presidente. Não é a única opção, claro, pois não tenho todas as informações. Mas é evidente que o vazamento do áudio foi a mais irresponsável de todas as opções, mas, no fundo, é coisa de quem joga com a irresponsabilidade e total desprezo à governabilidade ou coisa do tipo.

Aqueles que disseram que “Carlos Bolsonaro não teria outra opção a não ser vazar o áudio, pois isso joga a bomba no colo de Bebianno e livra a cara do pai” não passam de tuiteiros e blogueiros adeptos do puxa-saquismo e chupaculhonismo daqueles que estão no poder. Qualquer analista sério, seja de direita ou esquerda, viu que a atitude de Carlos Bolsonaro foi imperdoável para uma democracia séria.

Twitter: https://twitter.com/lucianoayan

Facebook: https://www.facebook.com/ceticismopoliticosc/

Anúncios

8 comentários em Qual deveria ser a atitude de um líder sério no caso Bebianno?

  1. Concordo com sua análise. Mas ainda fico na dúvida, o que o Carlos ganha com esse circo? É tudo por poder interno? Porque me parece que ele mais perde do que ganha com esse tipo de atitude. De acordo com a visão do Blog, minha conclusão seria que “ele fez isso para aumentar o poder interno e combater um ministro que ele não ve como aliado/ ou ve como risco”. Se for isso mesmo, me parece que a estratégia adotada não foi muito inteligente.

  2. Concordo com sua análise também. E me parece que ele não está ligando muito para opinião de quem quer que seja. Tomara que o sucesso não lhe tenha subida à cabeça. Talvez imagine que é o rei das redes sociais e que seria capaz de se contrapor a qualquer um já que seria o “mito”. Mas de qualquer forma é realmente muito lamentável tudo isso. É como uma pedra jogada. Não volta mais. E tudo ainda por cima registrado de viva voz. Espero que o governo dele vá até ao fim e que seja minimamente bem sucedido pelo menos em encaminhar as reformas e que assegure o combate à corrupção. Depois de 4 anos, espero que até lá apareça candidatos a presidente melhor e outra liderança políticas de direita liberal-conservadora que lhe faça sombra. Talvez ele tenha vindo apenas para eliminarmos o PT e as esquerdas do poder, nada mais…

  3. Psicopatas no poder

  4. O filho Carlos mostrou que mesmo não fazendo parte do governo, exerce grande influência no comando do Governo. Agora ter acesso a informações privilegiadas, estratégicas e até geopolíticas coloca a nação em risco. Outro ponto é que vai deixar todos os outros Ministros ressabiados, porque não vão saber quando uma interlocução privada e interpessoal com Jair pode ser vazada. Sem contar que os filhos de Jair se utilizam da proximidade com o presidente pra poderem semearem o discurso do inimigo interno, uma pessoa próxima que pode estar pronta a trair o governo.Quer dizer, criam um clima de desconfiança desnecessário. O juiz Sérgio Moro entrou numa barca furada. vazar audios do Presidente da República em conversas com seus ministros foi imperdoável. na verdade durante a internação, o presidente Jair Bolsonaro deveria ter passado a presidencia pro Vice General Mourão.

  5. Sem contar que sem cautela nenhuma, sem saber se bebiano é culpado ou inocente no caso do laranjal, jair Bolsonaro ainda tentou exigir que o Ministro Bebiano pedisse demissão, sendo que quem crou o clima e vazou o aúdio foi seu filho. Ainda não quis arcar com o ônus de ter que demitir o Ministro Bebiano….

  6. Byebyebbiano ! Se fosse fácil como vc propõe, seguir uma manual de guerra política de forma simplista.

    SINAIS, SEMPRE OS SINAIS

    Por Carla Pola

    Nem sei por onde começar, mas vamos lá.

    Eu não sabia quem era esse tal de Bebianno, que atualmente é o secretário-geral da presidência. Como a maioria, só vim conhecê-lo durante a campanha presidencial.

    Porém, quando observei ontem a defesa apaixonada da imprensa oficial por ele, minhas antenas ficaram em alerta. Ora! Justo uma imprensa que quer derrubar o presidente Bolsonaro todos os dias??? Uma imprensa que faz de um limão uma limonada e que quer porque quer derrubar ministros, haja vista o que fizeram com a ministra Damares, só para citar um exemplo e não me prolongar muito.

    Como sempre resolvi fazer uma pesquisa, agora sobre o tal Bebianno.

    Descobri que ele trabalhou no escritório do famoso advogado e sócio da esposa do Gilmar Mendes, Sérgio Bermudes. (isso já diz muita coisa).

    Descobri também que durante muito tempo ele tentou de várias maneiras se aproximar da família Bolsonaro sem sucesso. Porém, não desistiu. Mandou mensagens pelo Facebook, e-mails se oferecendo para trabalhar na campanha do Bolsonaro, até com o sogro (coronel do Exercito) falou para tentar um encontro com o Bolsonaro em Brasília, que também não deu certo. Mas a persistência foi tanta que acabou conseguindo o que queria. Havia processos do Bolsonaro largados a própria sorte e foi assim o caminho que fez com que chegasse ao presidente e passasse a gozar da sua confiança.

    Bebbiano é amigo do Paulo Marinho, aquele ligado aos petistas, que foi casado com a Maitê Proença, amigão do José Dirceu, que se filiou ao PSL e mesmo a contragosto do Flávio Bolsonaro, foi colocado como 1º suplente do senador.

    Assessores alegam que ele manobrou para que o Bolsonaro se afastasse dos Patriotas e jogou o presidente no colo do PSL, do Luciano Bivar (que dispensa apresentações) e com isso passou a ser o presidente interino do PSL durante a campanha do Bolsonaro.

    Além de cuidar pessoalmente do dinheiro do partido, coube também ao tal Bebbiano se encarregar das candidaturas estaduais. Fritou muitos nesse processo tendo a seu lado o tal de Julian Lemos.

    Com as muitas reclamações internas do tal Bebbiano, Carlos Bolsonaro, que atuava ao lado do pai, pois não estava em campanha própria como os outros irmãos, começou a observar mais de perto o que acontecia dentro do partido, observando as manobras que o Bebbiano fazia para afastar os aliados do pai. A partir daí é que começa o imbróglio.

    De alguma forma, Bolsonaro acordou para o caso, pois o tal Bebbiano foi um dos últimos a assumir um cargo no primeiro escalão, a Secretaria-Geral da Presidência, porém antes ela foi esvaziada, pois Bolsonaro passou a maioria dos encargos da secretaria (como o bilionário Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) ao general Santos Cruz que é o secretário de governo. (isso na época já me chamou a atenção, mas deixei no cantinho).

    Isso demonstra claramente que o presidente já não mais confiava no tal Bebbiano. E obviamente que ele sabia disso e não deve ter ficado nada feliz em ser um secretário basicamente sem função.

    Durante o período de transição e agora mesmo, houve muitos vazamentos à imprensa. E com a defesa que toda a imprensa faz para que o tal Bebbiano não caia, mas que se fosse com qualquer outro ministro seria diferente, mostra claramente que o tal é um dos maiores vazadores. Vingança??? Estar a serviço de outrém para derrubar o governo e isso desde antes da campanha??? São possibilidades.

    O que mais os inimigos do presidente Bolsonaro desejam é um escândalo o envolvendo em algum tipo de corrupção. Para que melhor que esse que apareceu dos desvios de dinheiro para candidatas mulheres dentro do PSL??? Escândalo esse que aparece justamente no momento que o presidente está fragilizado pela terceira cirurgia que fez em decorrência do atentado terrorista que o Adélio Bispo, supostamente ex-PSOL, fez em 06 de setembro de 2018???

    Acontece que o tal Bebbiano afirmou que não havia crise e que tinha falado com o Presidente (hospitalizado) três vezes num dia, sendo assim, colocou o presidente no fogo, arrastando-o para um escândalo do qual ele nem tinha conhecimento. Carlos Bolsonaro percebeu a manobra e o pai também e, desmentiu publicamente o Bebbiano, mostrando inclusive um áudio do pai dizendo que não podia falar com ele, pois estava se preparando para exames a fim de sair do hospital, áudio esse retuitado pelo próprio Bolsonaro.

    Bebbiano afirma que falou com o presidente Bolsonaro por mensagens, mas não as mostrará por questão do cargo. Balela!! Não há conversa nenhuma, com certeza se houvesse ele teria vazado para a imprensa.

    A partir daí começou o ataque da imprensa contra o Carlos e a defesa ardorosa para com o tal Bebbiano, interessante ressaltar que o escândalo em si não mais foi pautado pela imprensa, só o discurso que os filhos do Bolsonaro estão atrapalhando o governo. O que é mentira.

    Flávio Bolsonaro está no Senado fazendo o trabalho dele, Eduardo na Câmara, e só o Carlos está junto ao pai ajudando na sua recuperação.

    A pergunta que faço é: os filhos estão atrapalhando o governo ou os planos dos inimigos para derrubar o presidente Bolsonaro??

    Diante de tudo que pesquisei não tenho a menor dúvida que esse tal de Bebbiano é um dos infiltrados no Governo Bolsonaro e isso desde as eleições. Além de ser X9 da imprensa, queridinho da Globo, Folha de São Paulo e até dos Antagonistas, fora outros veículos da mídia.

    Usando seus amigos da imprensa, Bebbiano deu uma entrevista à Crusoé, que li, e nela há várias ameaças ao presidente Bolsonaro, um absurdo total!!

    O Bebbiano recebeu o recado do presidente: ou ele pede as contas ou será exonerado segunda-feira e, obviamente o tal Bebbiano vazou isso para O Antagonista ontem mesmo.

    Diante do exposto, o Bebbiano tem que sair, é um infiltrado, desestabiliza o Governo com vazamentos à imprensa que quer porque quer derrubar o Governo, atua nas sombras.

    Caso ele fique o presidente Bolsonaro terá um grande problema. Começarão a dizer, aliás já estão dizendo, que ele ficou com medo do tal Bebbiano e que esse ordinário tem ele nas mãos.

    Muita gente diz que os militares resolverão o problema. Os militares estão falhando muito para meu gosto. Deixaram um petista de carteirinha entrar na comitiva do presidente a Davos e duvi-de-ó-dó que não soubessem quem é esse tal Bebbiano, pois seu eu descobri em uma pesquisa básica, eles devem saber bem mais a respeito e já era para tê-lo chamado de canto e o tirado do cargo na mesma hora que o escândalo do PSL veio a público, usando a “diplomacia” de que ele se afastasse até provar sua inocência e fim. O tal Bebbiano mesmo teria se demitido e ainda sairia por cima.

    Mas para se agarrar a um cargo que foi esvaziado, com certeza o tal Bebbiano está a serviço de alguém, resta saber de quem.

    Também acho que o Carlos Bolsonaro, após a recuperação do seu pai, deva retornar a vereança no Rio; não porque atrapalhe o Governo, mas porque ele tem compromisso com os eleitores que o elegeram.

  7. Como o próprio Bebiano disse, foi o pai quem açulou o filho para gerar a queda do ministro. Trata-se de escantear um funcionário, até então considerado leal, mas que se tornou um empecilho, e substitui-lo por um general. O pai preferiu queimar o filho do que queimar a si mesmo. Quanto a Carlos, presta-se mesmo a todo o tipo de idiotice. Não é uma gente que tenha muito engenho mental.

Deixe uma resposta para Luís Munaro Cancelar resposta

%d blogueiros gostam disto: